A ESTÉTICA DA VERTIGEM COMO ESTRATÉGIA PARA A SUBVERSÃO DA ORDEM: UM ESTUDO DE “TODO CUIDADO É POUCO!”, DE ROGER MELLO

Luciana Borges Conti Tavares

Resumo


 O objetivo desse trabalho é analisar na perspectiva da vertigem o livro ilustrado “Todo cuidado é pouco!”, do autor e ilustrador brasileiro Roger Mello. A hipótese a ser trabalhada é que o autor se utiliza da forma da parlenda para criar uma ciranda em que os personagens se transformam à medida em que a narrativa avança, em versos rimados e ritmados. As ilustrações se comporiam, nessa perspectiva, por imagens fragmentadas e circulares, como a de um caleidoscópio, e a leitura dos versos produziria uma espécie de vertigem que libertaria o leitor do sentido estrito do texto, oferecendo-lhe uma experiência lúdica. A narrativa circular, como uma ciranda, é, segundo a hipótese desse trabalho, não uma reafirmação da tradição dos jogos falados, mas a utilização deles para criar um ambiente de instabilidade que subverte o papel de cada personagem.


Palavras-chave


livro ilustrado; literatura para crianças; Roger Mello

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2019.40152

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Luciana Borges Conti Tavares

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.