Memórias da Primeira Guerra Mundial em Erich Maria Remarque e Ernest Hemingway

Diana Navas, Evandro Fantoni Rodrigues Alves

Resumo


O século XX foi testemunha de um
significativo número de eventos altamente
transformadores da sociedade e da
cultura como um todo, dentre os quais
podemos destacar a ocorrência da
Primeira Guerra Mundial, entre os anos de
1914 e 1918. Entre os sobreviventes da
Grande Guerra que procuraram traduzir
em textos suas memórias dos anos de
conflito, encontramos Ernest Hemingway
e Erich Maria Remarque, que em seus
romances Adeus às armas, e Nada de novo
no front, respectivamente, trouxeram para
a literatura aspectos de suas próprias
experiências no front. É baseando-se nas
obras desses dois grandes autores que o
presente artigo objetiva apresentar alguns
aspectos da memória construída acerca da
Primeira Guerra Mundial – na medida em
que a ideia corrente no período da glória
da guerra foi-se desmanchando diante da
cruel realidade das trincheiras–e
compreender como essa realidade
aparece literariamente representada por
estes dois autores.


Palavras-chave


Memórias, Ernest Hemingway, Adeus às armas, Erich Maria Remarque, Nada de novo no front.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2018.38384

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Diana Navas, Evandro Fantoni Rodrigues Alves

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.