Era uma vez um conto de fadas: das origens à contemporaneidade

Cinthia Freitas de Souza

Resumo


Este artigo trata do gênero literário conto
de fadas e objetiva apresentar a história
de produção dessa narrativa, partindo de
suas raízes na tradição oral até suas
versões escritas, quando ela deixou de
pertencer unicamente ao Folclore e
tornou-se Literatura efetivamente. Esses
contos foram incorporados ao acervo
cultural brasileiro por intermédio dos
portugueses; contudo, a partir da
modernidade, eles passaram a ser muito
criticados por sua previsibilidade,
estereótipos, e, consequentemente,
poucos escritores brasileiros aventuraram-
se a escrevê-los. Em contrapartida,
destacamos a escritora Marina Colasanti,
que se dedicou a criar seus próprios
contos de fadas. Por isso, analisaremos um
de seus contos, chamado “A primeira só”,
do livro Uma ideia toda azul. Sendo este
um estudo de caráter bibliográfico, apoiar-
nos-emos em teóricos, como Cascudo
(2012), Marina Colasanti (2016, 2004),
Mariza Mendes (2000), Nelly Novaes
Coelho (1987, 1991) e Eliade (1972).

Palavras-chave


Tradição, folclore, contos de fadas, Marina Colasanti.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2018.38362

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cinthia Freitas de Souza

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.