A escritura biografemática em O irmão alemão: rastros de leituras na autoficção buarquiana

Juliane de Sousa Elesbão

Resumo


Com base na autoficção como recurso
artístico-literário para a ficcionalização de
si e no conceito de biografema, propomos
neste trabalho uma leitura da narrativa
buarquiana O irmão alemão publicada em
2014. Através dos rastros de leituras
identificados no decorrer da narrativa, e
do modo como a literatura funciona como
mediadora entre o protagonista, o Ciccio,
e os demais personagens do romance
referido, objetivamos mostrar que as
problematizações manifestadas em O
irmão alemão ultrapassam o
acontecimento tido como principal do
enredo: a descoberta de e a busca por um
meio-irmão alemão de Ciccio. Sendo
assim, ficção, realidade e autor, por
exemplo, são instâncias colocadas sob
reflexão na escritura de Chico Buarque.

Palavras-chave


Literatura Brasileira, Metaficção, Autoficção.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2018.38354

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Juliane de Sousa Elesbão

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.