O registro da tradição: oralidade em forma literária

Taís Nunes Garcia Semaan, Vera Bastazin

Resumo


Este artigo objetiva discutir em que medida a tradição oral, enquanto modalidade narrativa, estaria inscrita em um dos contos do livro A cidade ilhada (2009), de Milton Hatoum. Investigar a voz do contador de história como forma de tornar presente a tradição oral no texto nos conduz a uma abordagem que é iluminada por concepções teóricas propostas por Luis da Camara Cascudo (1978) e Paul Zumthor (1993; 1997) a respeito da oralidade, e por Émile Benveniste (1988; 1989) e José Luiz Fiorin (1996) sobre a enunciação. Também discutimos a maneira como Milton Hatoum trata a questão do regionalismo nesta narrativa, dialogando com considerações feitas por Vivian de Assis Lemos (2014) e Tânia Pellegrini (2007). A premissa que conduz nossa interpretação crítica é a de que há, na composição do conto, um olhar para a manutenção do patrimônio cultural e linguístico por meio da contação de histórias como atividade marcante no universo da tradição.


Palavras-chave


oralidade; tradição; literatura; Milton Hatoum

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2018.36954

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Taís Nunes Garcia Semaan, Vera Bastazin

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.