Poesia na cidade: como a memória se inscreve na história

Carolina Fedatto

Resumo


Os romances Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra, de Mia Couto (2002), Istambul, de Orham Pamuk (2003), e Marcovaldo ou As estações na cidade, de Ítalo Calvino (1963), são tomados como vestígios do trabalho da memória na relação do sujeito com os espaços urbanos. Através de uma análise discursiva do modo como a cidade é contada pelos três personagens em questão, apresento uma reflexão sobre o estatuto da memória e da história na constituição da textualidade urbana.

Palavras-chave


História e memória; Cidade; Texto; Análise de Discurso

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2008.35800

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Carolina Fedatto

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.