O traço subjetivo e o fascínio do fenômeno urbano na crônica de viagem de Maria Graham

Isadora Eckardt da Silva

Resumo


No presente trabalho será analisado o livro Diário de uma viagem ao Brasil, escrito pela inglesa Maria Graham entre os anos de 1821 e 1823. Serão utilizados como referencial teórico o livro Os olhos do império, de Mary Louise Pratt, e O Brasil não é longe daqui: o narrador, a viagem, de Flora Süssekind. Conforme estes ensaios, os relatos dos viajantes do século XIX seguiam duas correntes distintas: eram de cunho objetivo, com conteúdo científico, ou de cunho subjetivo, contendo impressões pessoais dos viajantes. O texto de Maria Graham segue a corrente subjetiva, pois a autora propõe como centro da narrativa as suas experiências pessoais, as quais estão impregnadas das emoções decorrentes da viagem. Esta narrativa se passa quase toda em espaços urbanos, e as impressões da viajante ante o fenômeno da cidade serão analisadas utilizando-se como referencial teórico as reflexões de Walter Benjamin sobre o fenômeno da metrópole; e também as idéias de José Carlos Barreiro, que analisa o imaginário dos viajantes europeus que vieram ao Brasil no século XIX, e suas concepções quanto às nossas cidades.

Palavras-chave


Literatura de viagem; Maria Graham; subjetividade

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Isadora Eckardt da Silva

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.