A literatura no cinema: a questão do analfabetismo em Vidas Secas

Maurina Lima Silva

Resumo


O presente texto tem como objetivo comparar o romance Vidas secas (1938), de Graciliano Ramos, com sua adaptação (1963) para o cinema, do diretor Nelson Pereira dos Santos. O foco é a analfabetismo dos personagens. Como o analfabetismo e suas consequências sociais aparecem no romance? Como o cineasta abordou esse assunto? Sem a pretensão de esgotar as duas obras, tendo em vista o enredo literário e o adaptado, comparam-se trechos do romance a cenas do filme a fim de refletir sobre a representação artística do analfabeto.


Palavras-chave


Vidas Secas, analfabetismo, literatura e cinema

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/palimpsesto.2018.35291

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Maurina Lima Silva

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.