A cor do poema é violeta

Pércio Faria Rios

Resumo


O trabalho, que aqui está prestes a ser lido ou não ser lido, é a tentativa de um percurso que, entre poemas de Paul Celan, Arthur Rimbaud e Álvaro de Campos, pinturas de Van Gogh e Edgar Jené, levando em conta a dificuldade de se escrever sobre poesia, arte, experimenta pensar nessas pinturas e poemas específicos como aquilo que configura novos regimes possíveis e impossíveis de visibilidade (DELEUZE, 2005), que se aproximam da cegueira, do emudecimento, do sono, da mudança de respiração, da imersão nas águas de um rio e que culminam no estabelecimento de um poema de Rimbaud dentro do coração de Álvaro de Campos, gesto que leva à descoberta da cor violeta do poema.


Palavras-chave


Poema; Visibilidade; Cegueira; Sono; Violeta.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Pércio Faria Rios

 


ISSN 1809-3507 | DOI: 10.12957/palimpsesto


Palimpsesto é uma publicação do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado nas seguintes bases:

 

Periodicos CAPES Latindex Find in a library with WorldCat MLA Livre MIAR ResearchBib BASE Logo UF Libraries University of Texas Libraries  Library Logo UCLA Library University of Wisconsin - Madison Libraries EZB


Licença Creative Commons

A Palimpsesto utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.