“Cinco ou seis dias”: os sonhos e as superfícies de uma geração.

Gabriel Lacerda de Resende, Pedro Felipe Moura de Araújo

Resumo


    A euforia de um grupo de amigos celebrando mais um réveillon, a renovação da aposta anual de que dali em diante tudo seria melhor, porque tudo só dependia da afirmação daquele amor gratuito e grandioso, tudo só dependia da aposta indefectível no brilho daquela geração; uma juventude que desabrocha em meio aos encontros suscitados pela vida universitária, à experimentação do amor, à descoberta da política, do esforço de transformação urgente e necessário que a realidade exigia; a amizade entre dois psicólogos recém-formados, abalada pela encruzilhada entre a adesão ao lucrativo receituário capitalístico e a persistência na tarefa de construir outro mundo que era, sim, possível, tinha de ser...


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/mnemosine.2022.66397

Apontamentos

  • Não há apontamentos.