A arlequimia em Mário de Andrade: crítica e prática de uma máscara

Ricardo Postal

Resumo


Os percursos críticos da Semana de Arte Moderna desencadeiam-se tanto nos textos produzidos pelos in­telectuais participantes no debate sobre o caminho da arte na época, como na fortuna crítica que as obras desses intelectuais suscitaram. O presente trabalho é uma interpretação crítica da prática artística de Mário de Andrade que interroga como a apropriação da figura do Arlequim, que atravessa sua obra, é transformada numa proposta estética e num amoldamento de artista. Olhando para o modo como a crítica percebeu o Ar­lequim dentro da escrita de Mário de Andrade, dialogamos com esses aspectos e propomos uma ampliação do significado dessa figura, pensando nos motivos da escolha dessa máscara por parte do escritor, e vendo-a como fundamento do ato improvisado de escrever e representar uma arte e uma identidade cuja totalidade seria impossível ainda no Brasil. Sob esse ponto de vista, Macunaíma seria um exemplo de arlequimização, cuja feição rapsódica indica já a proximidade com o improvisar de várias fontes símile à prática arlequinal da Commedia dell’arte. O Arlequim, essa figura central e irradiadora de metáforas, guia a poética de Mário de Andrade, realizando o artista nela a simbiose que propõe entre estética, práxis e vida.


Palavras-chave


Imaginário; Mário de Andrade; Arlequim.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/matraga.2020.49553

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


e-ISSN 2446-6905 | DOI: 10.12957/matraga


Matraga é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

Logomarca UERJ  Logomarca Instituto de Letras  Logomarca Pós-graduação

 


Indexado em:


Licença Creative Commons
A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.