A aporia do conselheiro: o fim da linha do cronista Machado de Assis

Júlio França

Resumo


Em 28 de fevereiro de 1897, Machado de Assis afasta-se da Gazeta de Notícias e encerra assim um período de trinta e oito anos de colaboração regular na imprensa fluminense. A renúncia de Machado é enigmática e vem sendo interpretada de várias maneiras pela tradição crítica. A proposta deste artigo é, por um lado, discutir as razões que levaram Machado a abandonar a crônica e, por outro, demonstrar que alguns elementos característicos da escrita cronística influíram diretamente no artesanato da prosa ficcional dos seus três últimos romances, publicados após o seu afastamento dos periódicos.


Palavras-chave


Século XIX; Literatura Brasileira; Machado de Assis; Crônica.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


e-ISSN 2446-6905 | DOI: 10.12957/matraga


Matraga é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

Logomarca UERJ  Logomarca Instituto de Letras  Logomarca Pós-graduação

 


Indexado em:


Licença Creative Commons
A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.