A paródia em Machado de Assis e Camilo Castelo Branco: uma breve análise de Memórias póstumas de Brás Cubas e Coração, cabeça e estômago

Greicy Bellin

Resumo


O objetivo do presente artigo é analisar algumas relações entre Machado de Assis e Camilo Castelo Branco no que concerne ao uso da paródia em Memórias póstumas de Brás Cubas e Coração, cabeça e estômago. A hipótese que se levanta é a de que Machado parodiou alguns aspectos do romance camiliano com a finalidade de emulá-lo, sinalizando uma busca por autoafirmação enquanto escritor em um cenário marcado por embates entre intelectuais brasileiros e portugueses. O embasamento teórico utilizado nesta análise parte do conceito de paródia formulado por Linda Hutcheon (1985), segundo a qual a paródia seria uma estratégia de fundo político, utilizada, no caso em tela, para reafirmar o lugar do escritor em contextos não-hegemônicos.

---

DOI: http://dxdoi.org/10.12957/matraga.2016.24865


Palavras-chave


Paródia; identidade literária; herança portuguesa.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/matraga.2016.24865

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


e-ISSN 2446-6905 | DOI: 10.12957/matraga


Matraga é uma publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ:

UERJ >> Instituto de Letras >> Programa de Pós-graduação em Letras

 


Indexado em:


Licença Creative Commons
A Matraga utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.