Usos e abusos da leitura de Proust: reflexões em torno de Como Proust pode mudar sua vida (Alain de Botton) e Proust e os signos (Gilles Deleuze)

Ieda Tucherman

Resumo


A proposta deste texto é antiga, tratando de uma indagação que retorna por meios contemporâneos: a arte deve ser medida ou produzida com um sentido de utilidade? Sem julgamento a priori, as duas propostas das leituras que apresentamos se relacionam de maneira contrastante com esta inquietação: a leitura de Alan de Botton é quase terapêutica; Proust, um dos mais herméticos escritores do século XX, aparece a partir de rubricas que podemos associar aos títulos da literatura de autoajuda. Em Deleuze, ela reside no fato de ser a literatura a experiência de gaguejar na própria língua, produzir mundos possíveis no campo da arte e dos sistemas de pensamento. Neste caso, ao contrário de acalmar ou indicar caminhos, sua função é nos lançar na zona do inesperado.

Palavras-chave


arte; terapêutica, auto-ajuda

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/logos.2016.27509

Indexada em:Latindex . Sumarios.org . Univerciência. Doaj
Rua São Francisco Xavier, 524 -10 º Andar - Sala 10129 Bloco F - Maracanã - Rio de Janeiro - RJ
cep: 20550-013 - e-mail: logos@uerj.br