Foucault e os discursos sobre "drogas": da definição do objeto à incorporação dos desvios

Andrew Muller Reed

Resumo


Trata-se de um exercício reflexivo sobre o uso de “drogas” na atualidade, tendo como base o arcabouço teórico desenvolvido por Foucault em sua análise sobre a sexualidade. A hipótese subjacente é de que é possível identificar nas sociedades modernas um processo de colocação das “drogas” em discurso, definindo-a como um objeto de saber a ser conhecido e controlado. Busca-se portanto analisar as diferentes formações discursivas sobre as “drogas” e suas representações nos campos estabelecidas do poder, culminando em uma reflexão sobre as consequencias desse processo na elaboração individual do uso de “drogas” e a incorporação subjetiva dos desvios.

 

DOI: 10.12957/intratextos.2013.8459

 


Palavras-chave


Drogas; Desvio; Subjetividade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/intratextos.2013.8459

E-mail para contato com os editores: revista.intratextos@gmail.com

PPCIS/UERJ: Rua São Francisco Xavier, 524 - 9º andar - Sala 9037 - Bloco F

CEP: 20550-900 - Maracanã - Rio de Janeiro

Telefone: (21) 2334-0678 / Ramal 27


ISSN 2176-6789

 

Indexações

Revistas Online – UERJ; Revistas brasileiras – SEER; Latindex; Sumários de Revistas Brasileiras; Journals4Free e Periódicos Capes