A música gospel e os usos da “arma da cultura”. Reflexões sobre as implicações de uma emenda.

Raquel Sant'Ana

Resumo


Este trabalho trata do caso do reconhecimento da música gospel como manifestação cultural a partir de emenda à Lei n° 8.313/91 (a “Lei Rouanet”) de Incentivo à Cultura. Embora a lei Rouanet já reconhecesse a “música” como campo geral apto a receber incentivos, e alguns projetos gospel já houvessem sido contemplados, a emenda provocou críticas e mesmo um parecer contrário por parte do Ministério da Cultura. A análise deste caloroso debate permite problematizar os diferentes sentidos com que têm sido acionados termos-chave, como ‘Cultura’, ‘Estado’ e ‘Religião’.

Essa reflexão se combina ao trabalho de autores como Talal Asad e Susan Wright, que têm demonstrado que tais categorias precisam ser compreendidas como historicamente construídas e em seu acionamento enquanto categoria ‘nativa’, capaz de legitimar e deslegitimar certas configurações de poder.

Assim, a reflexão sobre os usos da “arma da cultura” pelos evangélicos no Brasil

(problema para o qual Clara Mafra chamava a atenção em 2011) nos revela confluências

desafiadoras entre a religião e o estabelecimento de políticas públicas.


Palavras-chave


Política Cultural; Música gospel; Evangélicos; Política; Estado

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/intratextos.2013.7097

E-mail para contato com os editores: revista.intratextos@gmail.com

PPCIS/UERJ: Rua São Francisco Xavier, 524 - 9º andar - Sala 9037 - Bloco F

CEP: 20550-900 - Maracanã - Rio de Janeiro

Telefone: (21) 2334-0678 / Ramal 27


ISSN 2176-6789

 

Indexações

Revistas Online – UERJ; Revistas brasileiras – SEER; Latindex; Sumários de Revistas Brasileiras; Journals4Free e Periódicos Capes