Caminhos para o conhecimento do mundo: considerando a possibilidade de apontá-los...

Ana Maria Radaelli da Silva

Resumo


Os novos tempos e as novas circunstâncias expõem com maior nitidez a fragilidade do trabalho pedagógico, da mesma forma que reclamam por propostas realmente capazes de operar transformações na e através da escola. Nesse texto, proponho que um caminho possível, através do ensino da Geografia, passa pela concepção de educação que reflete-se na postura do professor, enquanto sujeito promotor de esperanças, mediador do saber, sobre o qual está fortalecido teórica e metodologicamente; da prática de sala - não descontextualizada da prática social INTRODUÇÃO Csta é uma tarefa que não resultará
apenas da emergência de novos entendimentos, mas, principalmente, de um novo olhar sobre o que tenho entendido acerca de como conhecer o mundo numa perspectiva
não exclusivamente geográfica, mas da educação em sentido mais amplo, considerando
que são caminhos de construção desse conhecimento, processo impregnado de subjetividades, compreendido como um dos vetores de uma pedagogia emancipadora.
Com certeza é um olhar redimensionado em função das transformações do momento e do
fora da escola - e no cotidiano da escola, lugar de construção social do saber, de gestação coletiva de decisões políticas e pedagógicas e de embate entre saber X poder. Enfim, a Geografia tem como contribuir para ingressar, viver ou sobreviver no próximo século, a partir da construção interativa de novos saberes para uma nova realidade, plural e global.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/geouerj.1999.49055



Direitos autorais 2020 Ana Maria Radaelli da Silva

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

ISSN: 1415-7543 | E-ISSN: 1981-9021 | JournalDOI: https://doi.org/10.12957/geouerj

Licença Creative Commons