Arte da precariedade, cultura da alteridade. Thomas Hirschhorn e Georges Bataille

Osvaldo Fontes Filho

Resumo


Este artigo focaliza a figura do artista engajado da atualidade, personificado por Thomas Hirschhorn, cuja obra trabalha nos limites da precariedade material. Seus trabalhos privilegiam o diálogo com o Outro, em empenho por repolitizar a arte.  Procura-se caracterizar o artista-produtor em seu apelo a Georges Bataille (1897-1962), teórico da transgressão que preconizou para a modernidade um dispêndio insensato de formas e energia como contrafação dos mecanismos regrados do consumo moderno. A reflexão explora, por fim, os recursos da cultura da alteridade absorvida por uma arte política, e os riscos que incorre de formalismo e de condescendência etnográfica no trato com os marginalizados da atualidade.

Texto completo:

PDF EPUB


DOI: https://doi.org/10.12957/concinnitas.2021.51853

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Osvaldo Fontes Filho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

facebook.com/revistaconcinnitas

concinni@gmail.com

ISSN 1981-9897