A luta pelas estatísticas em três momentos marcantes na história do Brasil

Nelson de Castro Senra

Resumo


<doi>10.12957/cdf.2015.19719

No Brasil, por muito tempo a atividade estatística seria descontínua e assistemática. Assim, poder dispor de estatísticas para representar as realidades não era tarefa fácil. Entretanto, elas sempre eram desejadas e por certo desejáveis. Nada melhor do que delas dispor, seja em tabelas, diagramas e cartogramas para, num relance, dar clara visão do estado das realidades. Esse desejo, e a luta por tê-las cresciam em momentos marcantes. Pois este texto marca três desses momentos na história do Brasil: um deles, ao tempo do Império (1850), pautado por estimulo de renovação progressista (criação do Arquivo Estatístico Fluminense); os outros se deram ao tempo republicano, ambos em instantes de celebração: o primeiro (1908)aos cem anos da abertura dos portos às nações amigas (Exposição Nacional), e o segundo (1922) aos cem anos da independência nacional (Exposição Internacional).


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/cdf.2015.19719

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

A revista Cadernos do Desenvolvimento Fluminense está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.