Masculinidades no voleibol: precarização, agência e resistência em narrativas de jovens atletas

Leandro Teofilo de Brito

Resumen


Discutem-se neste artigo os processos de identificação e significação das masculinidades nas experiências narradas de jovens atletas de voleibol. Para isso, mobilizam-se as teorizações de Jacques Derrida, Judith Butler e Leonor Arfuch para produção e problematização de narrativas. Os relatos de dois sujeitos que se identificavam como homossexuais apontaram para a negação da orientação sexual e regulação de suas performatizações de masculinidade nos espaços de desenvolvimento do esporte. Ainda que apreendidos numa condição alta de precariedade, resistiam por agenciamentos diversos aos processos segregatórios que vivienciavam cotidianamente nos clubes.


Palabras clave


masculinidades; homossexualidade; narrativas; pós-estruturalismo; voleibol



Fuentes de indización:

SciELO Brasil - Scientific Electronic Library Online

LATINDEX - Sistema regional de información en línea para revistas científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal

CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades

DOAJ - Directory of Open Access Journals

REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y El Caribe, España y Portugal

 

Patrocínios:

UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2009-2020)

FORD FOUNDATION (2009/2010/2011)

IPEA - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasil (2012)

FAPERJ - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro, Brasil (2012/2013/2014)

CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Brasil (2013/2014/2015/2019)

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, Brasil (2013/2017/2018)

CEPESC - Centro de Estudos e Pesquisa em Saúde Coletiva (2016)