Del sexo dicotómico al sexo cromático. La subjetividad transgenérica y los límites del constructivismo

Francisco Vázquez García

Resumen


 

En este artículo se afronta el problema de la subjetivación de las personas trans. El punto de partida lo constituye la doble paradoja que afecta tanto a este colectivo como a los profesionales sanitarios que se encargan de los “trastornos de identidad de género”. Los primeros oscilan entre la aceptación y el rechazo de la medicalización; los segundos, entre una representación naturalista y una perspectiva psicosocial de las diferencias de género. En ambos casos se privilegia un planteamiento constructivista radical que acaba ignorando la dimensión del cuerpo vivido. Con objeto de aclarar esta paradoja se presenta una interpretación que combina la aproximación genealógica (a priori histórico) y el análisis fenomenológico de la subjetividad transgenérica (a priori carnal).

 

Palabras clave: transexualismo; transgenerismo; constructivismo; subjetividad; cuerpo

 

Do sexo dicotômico ao sexo cromático. A subjetividade transgênica e os limites do construtivismo

 

Neste artigo confronta-se o problema da subjetivação das pessoas trans. O ponto de partida constitui o duplo paradoxo que afeta tanto a este grupo como aos profissionais sanitários que se encarregam dos “transtornos de identidade de gênero”. Os primeiros oscilam entre a aceitação e a recusa da medicalização; os segundos oscilam entre uma representação naturalista e uma perspectiva psicossocial das diferenças de gênero. Em ambos os casos, privilegia-se uma formulação construtivista radical que acaba por ignorar a dimensão do corpo vivido. Com o objetivo de esclarecer este paradoxo, apresenta-se uma interpretação que combina a aproximação genealógica (a priori histórico) e a análise fenomenológica da subjetividade transgênica (a priori carnal).

 

Palavras-chave: transexualismo; transgenerismo; construtivismo; subjetividade; corpo

 

From dichotomic to chromatic sex. Trasnsgender subjectivity and the limits of constructionism

 

This paper deals with the subjectivation of trans people. The starting point is a sort of a double paradox concerning those persons and the health professionals dealing with “gender identity disturbance”. The former are placed between acceptance and rejection of the medicalization process. The latter fluctuate between a naturalist and a psychosocial view about gender differences. In both cases they emphasize a radical constructionist approach that ignores the living body. In order to understand the mentioned paradox we take a different way, combining the genealogical approach (focused on the historical a priori) and the fenomenological analysis (focused on the charnel a priori). 

 

Keywords: transsexualism; transgenderism; constructionism; subjectivity; body

 


Palabras clave


transexualismo; transgenerismo; constructivismo; subjetividad; cuerpo