GEOGRAFIA FÍSICA, NATUREZA, SOCIEDADE

Autores

Palavras-chave:

História da Geografia, Geografia Física, Relação sociedade x natureza, geografia ambiental.

Resumo

A Geografia passou por diferentes abordagens conforme suas diversas correntes nos últimos 70 anos, que representam o período pós Segunda Guerra Mundial. Nesse interim, surge a Geografia Quantitativa no período da Guerra Fria, sequenciada pela ruptura política e metodológica representada pela Geografia Crítica, até surgir, a partir dos anos 1980, a Geografia Ambiental. A Geografia Ambiental, feita basicamente pelos geógrafos físicos, trouxe a sociedade para o âmbito dos estudos da natureza e implicou na produção de uma geografia unitária, pautada na relação sociedade x natureza. Hoje, a Geografia Física, no entanto, baseia-se na pluralidade de métodos e de abordagens, resultando em um ciência diversificada e teoricamente rica. A Geografia Física vem fazendo dessa pluralidade um momento de produção pautada sobretudo na ideia de geossistemas, que permite a análise de todas as interfaces desse ramo do conhecimento. A análise geossistêmica, no entanto, também enfraquece a pesquisa básica. Precisamos encontrar a forma de fazer a geografia unitária, garantindo o espaço de pesquisa da geografia física e ao mesmo tempo realizando estudos de natureza básica.

Biografia do Autor

Vanda de Claudino-Sales, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Possui graduação em Bacharelado Em Geografia pela Universidade de Brasília (1981), especializacao em Geologia Costeira pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mestrado em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo (1993), doutorado em Geografia Ambiental na Université Paris-Sorbonne (2002) e pos-doutorado em Geomorfologia Costeira na Universidade da Florida (2006). Professora aposentada do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Ceara (UFC) , foi professora visitante na Universidade da Florida, na Universidade Paris-Sorbonne e no Mestrado em Geografia da Universidade Estadual Vale do Acarau (UVA). Integrou a Comissao de Avaliacao da Pos-Graduacao em Geografia CAPES (2006-2010). Eh vice-presidente regional da fundacao americana de pesquisa costeira CERF (Coastal Education and Research Foundation) e pesquisadora desenvolvimento Regional Nivel A do CNPq junto a Universidade Estadual Vale do Acarau, Ceara. Eh Editora-chefe da William Morris Davis - Revista de Geomorfologia. Tem experiencia em Geomorfologia Estrutural, Megageomorfologia, Geomorfologia Costeira e Analise Ambiental. Eh ambientalista, estando em movimentacao pela preservacao do meio ambiente no Estado do Ceara por mais de 40 anos.

Referências

BERTALANFFY, L.V. Teoria Geral dos Sistema. Petrópolis: Vozes, 1973.

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física Global: esboço metodológico. Cruz, Olga (trad.). Cadernos de Ciências da Terra. São Paulo, USP-IGEOG, nº 43, 1972.

CASTELLS, M.; CARDOSO, G. A Sociedade em rede. Lisboa: Imprensa Nacional, 2005.

CLAUDINO-SALES, V. Geografia, sistemas, analise ambiental: abordagem crítica. GEOUSP, n. 16, p. 125-141, 2004.

CRAIG, C.; LOVEGALL, F. America’s Cold War: The politics of insecurity. Boston: Harvard University Press, 2012.

DINIZ, E. Globalização, Estado e Desenvolvimento: dilemas do Brasil no novo milênio. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

FAISSOL, S.A. A geografia da década de 1980: os velhos dilemas e as novas soluções. Revista Brasileira de Geografia, vol. 49, n. 3, 1987.

GASPAR, C. O Pós-Guerra Fria. Lisboa: Tinta da China, 2016.

LAMEGO, M. O IBGE e a geografia quantitativa brasileira. Terra Brasilis, 3, 2014.

MAGNOLI, D.; BARBOSA, E. S. O mundo contemporâneo: relações internacionais 1945-2000. São Paulo: Editora Moderna, 2002.

MENDONÇA, F. Geografia Socioambiental. Terra Livre, n. 16, 139-158, 2001.

MORAES, A. C. R.; COSTA, V. M. Geografia Crítica: a valorização do espaço. São Paulo: HUCITEC, 1984.

MOREIRA, R. A geografia serve para desvendar máscaras sociais. Petrópolis: Vozes, 1982.

MOREIRA, R. Debate: Geografia e Realidade. São Paulo: Território Livre 2 (União Paulista de Estudantes de Geografia -UPEGE), 1980.

ONU (Organização das Nações Unidas). Relatório do Escritório para Redução de Desastres Ambientais. Disponível em: https://nacoesunidas.org/?post_type=post&s=desastres+naturais. Acesso em: 11 jul. 2020.

PEREZ-FILHO, A. Os desafios e avanços da Geografia Física. Webinar Youtube VIII Jornada de Geografia do Oeste Baiano. https://www.youtube.com/watch?v=oLpVG5HmR0M, 8 de junho, 2020.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A natureza da globalização e a globalização da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1989.

SOTCHAVA, V. O estudo dos Geossistemas. Métodos em Questão, n. 16, GEOUSP, 1977.

TODD, C. Eyewitnesses to the Russian Revolution. New York: Haymarket Books, 2017.

VESENTINI, J.W. Geografia Crítica. São Paulo: Ática, 1992.

Downloads

Publicado

2021-01-28

Como Citar

Claudino-Sales, V. de. (2021). GEOGRAFIA FÍSICA, NATUREZA, SOCIEDADE. Humboldt - Revista De Geografia Física E Meio Ambiente, 1(2). Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/humboldt/article/view/57381

Edição

Seção

Dossiê de Lançamento: Epistemologia da Geografia Física Brasileira