DESORDENANDO O MONOPÓLIO TERRITORIAL ESTATAL: APORTES TEÓRICOS DA GEOGRAFIA CRÍTICA À RECONFIGURAÇÃO PLURINACIONAL DO ESTADO EQUATORIANO

Manuela Monarcha Murad da Silveira

Resumo


Como parte de um esforço coletivo por construir uma nova geografia no Equador – e desejando que novas e plurais geo-grafias sejam possíveis –, sistematizamos neste artigo algumas reflexões que tiveram um papel central na práxis do Coletivo XX, voltado à defesa dos territórios dos povos e comunidades tradicionais, em uma conjuntura em que os avanços constitucionais relativos à plurinacionalidade do Estado não eram suficientes para frear os atropelos a esses territórios. Apresentamos, em primeiro lugar, uma leitura decolonial sobre o processo histórico de legitimação do monopólio territorial estatal, ressaltando o papel da associação naturalizada entre Estado, nação e território. Em seguida, fazemos uma revisão teórica sobre o conceito de território e de (des)ordenamento territorial, em sua relação com o processo de reconfiguração crítica da Geografia. Por fim, tecemos breves comentários sobre o processo de fomação territorial do Equador e as dinâmicas mais recentes que vêm ocasionando conflitos territoriais.

Texto completo:

161-174


DOI: https://doi.org/10.12957/tamoios.2021.58368



ISSN: 1980-4490

Periódicos Capes Resultado de imagem para logotipo biblioteca nacional