O TEMPO DO PROCESSO E O TEMPO DA MEDIAÇÃO

Fabiana Marion Spengler

Resumo


O tempo do processo permite que o julgamento desenvolva os seus efeitos jurídicos e sociais. O Direito de um lado, seguindo seus rituais de objetivo a segurança e a certeza jurídica; e pelo outro lado a temporalidade. O tempo do processo e seus rituais se traduzem na expressão ―morosidade. A Emenda Constitucional 45/2004 (EC/45) discute o tempo processual, prevendo uma duração razoável do processo, alcançando uma justiça mais célere. Observando que a aceleração quantitativa nem sempre significa a melhoria qualitativa. O tempo da mediação segue seu ritmo próprio, pois cada mediação é diferente, não somente em tempo. Cada mediação segue seu ritmo próprio. Cabe ao mediador a arte de saber compor com o tempo. A mediação pode organizar as relações sociais, auxiliando os litigantes a encarar os problemas com autonomia, possibilitando o entendimento mútuo e o consenso, com isto reduzindo a dependência de um terceiro (juiz). Nesse contexto será revisada a temporalidade, refletindo sobre a sociedade, o conflito, o processo e a mediação.

Palavras-chave


Tempo do Processo. Tempo da Mediação. Emenda Constitucional 45/2004. Temporalidade. Justiça Social. Mediação

Texto completo:

PDF


REVISTA ELETRÔNICA DE DIREITO PROCESSUAL - REDP

 

Campus Maracanã, Pavilhão João Lyra Filho, 7º andar

Bloco F, sala 7123. Rio de Janeiro/RJ. Brasil

Telefones: (21) 2334-0072 ou 2334-0312. E-mail: fhrevistaprocessual@gmail.com