Percepção dos Auditores Externos sobre o Sistema de Controles Internos das Empresas

Adolfo Henrique Coutinho e Silva, Caroline Medeiros Vasques

Resumo


Esta pesquisa analisou as percepções dos auditores independentes ocupantes de cargos de gerente e supervisor em uma empresa de auditoria independente de médio porte sobre as estruturas de controles internos atualmente presentes nas empresas brasileiras. Os resultados apontaram que os auditores entrevistados de uma não big four apresentaram opiniões semelhantes aos de uma empresa big four, entrevistados por Silva e Vidal (2016), quanto aos conceitos de controles internos, benefícios e procedimentos de auditoria realizados para avaliar a adequação dos controles internos das empresas. Os auditores de uma big four avaliaram as estruturas de controles internos das empresas de capital aberto como inferiores às estruturas das empresas de capital fechado, ressaltando os diversos escândalos de fraudes que estavam ocorrendo na época da pesquisa. Por outro lado, na pesquisa atual, os entrevistados consideram as estruturas de controles internos das empresas de capital aberto significantemente melhores as estruturas das empresas de capital fechado, justificando que essas empresas já possuem estruturas de controles internos bem desenhadas e consolidadas, que fornecem maior transparência quanto à operação. Além de um melhor ambiente de tecnologia da informação. A principal contribuição deste estudo é fornecer informações sobre a visão dos auditores externos sobre a adequação das estruturas de controles internos das empresas brasileiras no cenário econômico atual, além de demonstrar os benefícios dos controles, as falhas frequentemente identificadas e o papel da auditoria.


Palavras-chave


Governança Corporativa. Controles internos. Auditoria Independente

Texto completo:

PDF

Referências


ALMELA, B. Control y auditoría internos de la empresa. Consejo General de Economistas de España. Madrid, 1987.

ATTIE, W. Auditoria. Conceitos e Aplicações. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

AVALOS, J. M. A. Auditoria e Gestão de Riscos. Instituto Chiavenato (org.). - São Paulo: Saraiva, 2009.

COMMITTEE OF SPONSORING ORGANIZATIONS OF THE TREADWAY COMMISSION - COSO. Enterprise Risk Management: Integrating with Strategy and Performance. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2018.

CREPALDI, S. A. Auditoria Contábil: teoria e pratica. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

_________________________. Auditoria contábil: teoria e prática. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2013.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MIGLIAVACCA, P. N. Controles Internos nas Organizações. São Paulo: Edicta, 2002.

PEREIRA, M. A. A. Controles internos e cultura organizacional: como consolidar a confiança na gestão dos negócios. São Paulo: Saint Paul Editora, 2009.

SANTANA, A. G.; TEIXEIRA, S. A.; CUNHA, P. R.; BEZERRA, F. A. Auditoria Independente e a Qualidade da Informação na Divulgação das Demonstrações Contábeis: estudo Comparativo entre Empresas Brasileiras Auditadas pelas Big Four e não Big Four. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 19, n. 3, p. 70-87, 2014.

SANTOS, V. M. A importância do controle interno na prevenção de erros e fraudes. Trabalho de Conclusão de Curso II (Graduação em Ciências Contábeis) – Fesurv - Universidade de Rio Verde, 2013.

SILVA, A. H. C.; VIDAL, D. C. A Percepção dos Auditores Externos sobre a Adequação dos Sistemas de Controle Interno nas Empresas de Capital Aberto. Pensar Contábil, v. 18, n. 67, p. 57-67, 2016.

SIRTORI, A. Estrutura do COSO gestão de riscos - Conhecendo os principais pontos da atualização Necessidade da implantação da Lei Sarbanes Oxley no Brasil. Administradores. 2007. Disponível em:

. Acesso em: 20 nov. 2018.




DOI: https://doi.org/10.12979/rcmccuerj.v24i3.46740



ISSN da versão on-line (atual): 1984-3291
Periodicidade: Quadrimestral
Classificação CAPES: A3

DOAJ