survival of deaf childhood in a society centered in the oral language: the covid-19 case and the viralization of libras

vanessa regina de oliveira martins

Abstract


Studies point out challenges for the acquisition of the Brazilian sign language (Libras) by deaf children. Most deaf people are children of hearing parents who do not know Libras and the first contact with this language can occur only in the school environment. With the situation of social isolation and the impossibility of opening schools due to the "New Coronavirus" pandemic, these problems have worsened. The project called #CasaLibras of virtual attention in Libras for deaf children aimed to produce videos with children's storytelling directly in Libras. The actions are justified as a way of informing, entertaining, as well as, stimulating the contact of this language by deaf children in their homes. This article intends to analyze this political scenario, problematizing: 1) the philosophical-social conceptions about deafness, 2) the struggle for deaf survival, given the lack of public, social and educational policies, in a necropolitics that is affirmed in the production of death (symbolic and real for the deaf, due to the guidelines for the adaptation of deaf bodies to the oral language and the lack of information, exposing them to the risk) of deaf differences; and, finally, 3) the analysis of the results of the #CasaLibras project aimed at deaf children. The data suggest a widespread use of the media and some viralization of Libras, in the pandemic, through the action of the people. It highlights the positivity of the project in promoting accessibility for deaf children and the urgency of expanding inclusive bilingual policies that strengthen the singularities of these lives, leaving them less vulnerable, physically and symbolically.


Keywords


libras; deaf childhood; necropolitics; deafness.

References


Agamben, Giorgio. Profanações. São Paulo: Bointempo Editorial, 2007.

Brasil. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em:

http://www.presidencia.gov.br/CCIVIL/LEIS/2002/L10436.htm.

Acesso em: 18/07/2016.

Brasil. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 01 mai. 2020.

Brasil. Decreto 10.502 de 2020. Política Nacional de Educação Especial: Equitativa, Inclusiva e com Aprendizado ao Longo da Vida – PNEE. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20192022/2020/decreto/D10502.htm

Acesso em: 10/11/2020.

Campello, A.R.; Rezende, P. L.F. Em defesa da escola bilíngue para surdos: a

história de lutas do movimento surdo brasileiro. Educar em Revista, Curitiba, n. 2,

Disponível em: https://goo.gl/d5aE5q. Acesso em: 15/10/2017

Conceição B. S.; Martins, V. R. O. Discursos de pais de crianças surdas: Educação Infantil e a presença da Libras. Educação, Santa Maria, v. 44 |2019. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao. Acesso em 08 mai. 2020.

Foucault, Michel. Em defesa da sociedade: Curso no Collège de France (1975-1976). Trad. de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

Foucault, Michel. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Foucault, Michel. O governo de si e dos outros. Curso no Collège de France (1982-1983). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

Foucault, M. Do governo dos vivos. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

Gallo, S. Políticas da diferença e políticas públicas em educação no Brasil. In: Educação e Filosofia, Uberlândia, v. 31, n. 63, p. 1497-1523, set./dez. 2017. Disponível em:

Lacerda, C.B.F.de; Santos, L. F; Martins, V.R.de O (orgs). Escola e Diferença: caminhos da educação bilíngue para surdos. São Carlos: Edufscar, 2016.

Lodi, A. C.B.; Rosa, A. L. M.; Almeida, E. B. de. Apropriação da Libras e o constituir-se surdo: a relação professor surdo-alunos surdos em um contexto educacional bilíngue. ReVEL, v. 10, n. 19, 2012. Disponível em: www.revel.inf.br. Acesso em 07 mai. 2020.

Lodi, A.C.B; Albuquerque, G.K.T.S.de. Sala Libras língua de instrução: Inclusão ou exclusão educacional/social? In: LacerdA, C.B.F. de; Santos, L.F dos; Martins, V.R.de O (orgs). Escola e Diferença: caminhos da educação bilíngue para surdos. São Carlos: Edufscar, 2016.

Lopes, Maura Corcini. Surdez e Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

Mbembe, A. Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições, 2018.

Martins, V.R.O. Reflexões sobre a educação bilíngue de surdos em escolas inclusivas nos anos iniciais do ensino fundamental. Relatório final de pesquisa. Pesquisa com financiamento pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo: São Paulo, 2020.

Muller, J. I.; Sturmer, E.; Karnopp, I. B.; Lodenir, S. T. A. (2013). Educação Bilíngue para Surdos: Interlocução entre Políticas Linguísticas e Educacionais. Nonada: Letras em Revista, v. 2, n. 1. 21, outubro, p.1-15.

Negri, Antonio. Para uma Definição Ontológica da Multidão. Lugar Comum, Rio de Janeiro, v. 19-20, p. 15-26, 2004.

Pagni, P.A. Um lugar para a experiência e suas linguagens entre os saberes e práticas escolares: pensar a infância e o acontecimento na práxis educativa. In: Pagni, P.A; Gelamo, R.P (Orgs). Experiência, Educação e Contemporaneidade. Marília: Poiesis – Cultura Acadêmica Editora, 2010.

Pagni, P.A. Dez anos da PNEEPEI: uma análise pela perspectiva da biopolítica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 44, n. 1, e84849, 2019.

Pagni, P. A.; Martins, V. R. O Corpo e expressividade como marcas constitutivas da diferença ou do ethos surdo. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 32, 2019.

Peluso, L. Consideraciones teóricas em torno a la educación de los sordos: especial, bilingüe, inclusiva. Revista Educação Especial, v. 32, Santa Maria, 2019.

Rancière, J. O desentendimento – política e filosofia. São Paulo: Editora 34, 2018.

Santana, A. P. Surdez e linguagem: aspectos e implicações neurolingüísticas. São Paulo: Plexus, 2007.

Skliar, C. Os Estudos Surdos em Educação: problematizando a normalidade. In: Skliar, C. (Org.) A surdez: um olhar sobre as diferenças. 3ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2005.

Vaz, A. F. Educação, experiência, sentidos do corpo e da infância (um estudo experimental em escritos de Walter Ben¬jamin. In: Pagni, P.A; Gelamo, R.P (Orgs). Experiência, Educação e Contemporaneidade. Marília: Poiesis – Cultura Acadêmica Editora, 2010.

Wittgenstein, Ludwig. Investigações filosóficas. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1996.




DOI: https://doi.org/10.12957/childphilo.2021.56076

Refbacks

  • There are currently no refbacks.


childhood & philosophy Creative Commons License
e-issn 1984-5987 | p-issn 2525-5061