Sintonia fina dos poderes: sobas, degradados, aventureiros e o desejo da realeza lusa

Selma Alves Pantoja

Resumo


 

Resumo

Este artigo examina as relações entre a população da região da África Central Ocidental e a presença portuguesa, no período do comércio Atlântico de Escravos, considerando as nomenclaturas classificatórias que surgiram a partir desses contatos estabelecidos numa mutante relações de forças. Nesses vínculos, foram criadas categorias de poderosos efeitos hierárquicos, atribuídos a novos sujeitos sociais e que, de certa maneira, sobreviveram enquanto marcadores de desigualdade social até o século XXI.



Palavras-chave


Angola; contatos; controle; agências

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Luis. Albuquerque (ed.), Textos para História da África Austral, Século XVIII, Alfa, 1989, Documento de 1755, p. 15-32, 20.

ARAGÃO, M. S. Africanismo no português do Brasil. Revista de Letras, 30, 1-4, (2011), 15.

ASSIS JÚNIOR, Antônio. Dicionário Kimbundu-Português. Lisboa: Santos & Cia, 1894, 384 p.

ARQUIVO NACIONAL DE ANGOLA. (ANA)

ARQUIVO HISTÓRICO ULTRAMARINO. (AHU)

ARQUIVO NACIONAL DA TORRE DO TOMBO. (ANTT)

BENDER, Gerald. Angola sob o domínio português. Mito e realidade. Lisboa, Livraria Sá da Costa, 1980.

BIBLIOTECA DA AJUDA. (BA)

BÔAS, Filipe Vilas. Abolir, colonizar, negociar: sobas e moradores em face dos interesses portugueses em Golungo Alto, Angola (1840-1860), Sankofa, 18, 24, 2020.

BOLETIM DO ARQUIVO HISTORICO COLONIAL. Lisboa, Articor, 1950, v. 1, 552p. (BAHC)

BRASIO, A. Monumento Missionária Africana. Lisboa: Agência Geral Ultramarina, 1985, IX vs. (MMA)

CADORNEGA, Antônio Oliveira de. História Geral das Guerras Angolanas, (1680). Lisboa: Agência Geral do Ultramar, 1972, III vs.

CARVALHO, Flávia Maria de. Sobas e os Homens do Rei. Relações de Poder e Escravidão em Angola. Séculos XVII e XVIII. Alagoas: EDUFA, 321 p, 2015,

CANDIDO, Mariana. Jagas e sobas no “Reino de Benguela”: vassalagem e criação de novas categorias políticas e sociais no contexto da expansão portuguesa na África durante os séculos XVI e XVII. África: histórias conectadas, (Orgs) A. Vieira Ribeiro; A. Almeida Gebara; Berthet, Marina, Niterói: PPGHISTORIA-UFF, 2014, p. 41-77.

CANDIDO, Mariana. ‘Os agentes não europeus na comunidade mercantil de Benguela, c. 1760-1820’, Seculum, 29, (2013), 97-123.

CANDIDO, Mariana. ‘Slave Trade and New Identities em Benguela, 1700-1860’, Portuguese Studies, 19 (2011), 59-75.

CARDOSO, M. da C. L. Subsídios para a História de Luanda. Luanda: Museu de Angola, 1945.

CASTRO, Yeda, Falares Africanos na Bahia. Um vocabulário Afro-Brasileiro. Salvador: Topbooks, 2001, 388

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. La hybris del punto cero: ciencia, raza e ilustración em la Nueva Granada (1750-1816). Bogotá: Pontificia Universidad Javeriana, 2005.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2022.66119

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos