Mulheres Afro-Atlânticas no “Norte” do Brasil Oitocentista

Solange Pereira Rocha, Valéria Gomes Costa, Joceneide Cunha Santos, Iraneide Soares Silva

Resumo


Neste artigo, reconstituímos fragmentos de experiências de mulheres libertas no processo da Diáspora Africana nas Américas, em particular, em quatro províncias do “Norte” do Brasil oitocentista. Entre os temas desenvolvidos, destacamos o trabalho, etnicidade, redes de sociabilidade (família, amizades e parentesco espiritual) como parte de suas estratégias de resistência à escravidão. Desse modo, apresentamos as trajetórias de Catharina Mina (Maranhão), Thereza de Jesus de Souza (Pernambuco), Luiza (Paraíba) e Rozarida Maria do Sacramento (Bahia) e pessoas de suas relações sociais, assim como salientamos a complexidade de viver na sociedade escravista do período Oitocentos e o protagonismo feminino afro-atlântico para a conquista e a permanência da liberdade.


Palavras-chave


Mulheres Negras; Alforrias; Norte do Brasil; Século XIX.

Texto completo:

PDF

Referências


ALGRANTI, Leila Mezan. “Famílias e vida doméstica”. In: SOUZA, Laura de Mello (Org.). História da Vida Privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América Portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p. 54-96.

BARROSO JÚNIOR, Reinaldo dos Santos. Nas rotas do atlântico equatorial: tráfico de escravos rizicultores da Alta-Guiné para o Maranhão (1770-1800). Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal da Bahia, 2009.

BASSANEZI, Maria Silvia. “Registros paroquiais e civis”: Os eventos vitais na reconstituição da história. In: PINSKY, Carla B.; LUCA, Tânia de (Orgs.). O historiador e as suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009, p.141-172.

CÂMARA, Bruno A. D. O “retalho” do comércio: a política partidária, a comunidade portuguesa e a nacionalização do comércio a retalho, Pernambuco, 1830-1870. Tese (Doutorado em História), Universidade Federal de Pernambuco, 2012.

CANCELA, F. E.Torres. De projeto a processo colonial: índios, colonos e autoridades régias na colonização reformista da antiga capitania de Porto Seguro (1763-1808). Tese (Doutorado em História), Universidade Federal da Bahia, 2012.

CARVALHO, Marcus. Liberdade: rotinas e rupturas do escravismo, 1850-1850. Recife: Universidade, 1998.

CHALHOUB, Sidney. Visões de Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na corte. SP: Companhia das Letras, 1990.

CHIZIANE, Paulina. Ventos do Apocalipse. Lisboa: Caminho, 1999.

COSTA, Valéria G. “Monica da Costa and Teresa de Jesus”: free African women, status, and social networks in 19th century Recife. In: XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana B. de; GOMES, Flávio (Org.). Black women of Brazil in slavery and post-emancipaciton. New York: Diasporic Africa Press, 2016, p. 127-144.

______. Trajetórias Negras: libertos da Costa d’África no Recife (1846-1890). Tese (Doutorado em História), Universidade Federal da Bahia, 2013.

DIAS, Maria Odila Leite. Quotidiano e poder em São Paulo no século XIX. São Paulo: Brasiliense, 1984.

DOURADO, Larissa Bagano. Mulheres cativas na província da Paraíba do Norte: tráfico interno e conquista da liberdade, 1850-1888. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal da Paraíba, 2017.

ELTIS, David. Economic Growth and the ending of the transatlantic slave trade. New York: Oxford University Press, 1987.

EVARISTO, Conceição. Recordar é preciso. Disponível em: https://www.revistaprosaversoearte.com/conceicao-evaristo-poemas/ Acesso em: 08 out. 2020.

FARIA, Sheila de C. “Damas mercadoras: as pretas minas no Rio de Janeiro (século XVIII-1850)”. In: SOARES, Mariza de C. (Org.). Rotas atlânticas da diáspora africana: da Baía do Benin ao Rio de Janeiro. Niterói: Ed. UFF, 2007, p. 101-134.

FARIAS, Juliana B. Mercados minas: africanos ocidentais na Praça do mercado do Rio de Janeiro (1830-1890). Tese (Doutorado em História), Universidade de São Paulo, 2012.

______; et al. Cidades Negras: africanos, crioulos e espaços urbanos no Brasil escravista do século XIX. São Paulo: Alameda, 2006.

FREIRE, Paulo. Educação e Atualidade Brasileira. Tese (Concurso para a Cadeira de História e Educação), Universidade Federal de Recife, 2003.

FURTADO, Júnia Ferreira. Chica da Silva e o contratador dos diamantes. O outro lado do mito.São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

GINZBURG, Carlo. “Sinais: raízes de um paradigma indiciário”. In: _______. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. Tradução Frederico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. Tradução Cid Knipel Moreira. São Paulo; Rio de Janeiro: Editora 34; Centro de Estudos Afro-Asiáticos/UCAM, 2001.

GRAHAM, Richard. “Nos tumbeiros mais uma vez? O comércio interprovincial de escravos”. Afro-Ásia, v. 27, p. 121-160, 2002.

HEYWOOD, Linda. “Introdução”. HEYWOOD, Linda (Org.). Diáspora Negra no Brasil. Tradução Ingrid de C. V. Fregonez, Thaís Cristina Casson e Vera L. Benedito. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2019, p. 11-26.

LIMA, Carlos de. Caminhos de São Luís: ruas, logradouros e prédios históricos: São Luís: Editora Vozes, 2007.

LINDLEY, Thomas. Narrativa de uma viagem ao Brasil. (Londres, 1805). São Paulo:

Companhia Editora Nacional, 1969.

LISBOA, Antônio Barbosa. Dos cortes das piaçavas à pesca da garoupa: contrabandistas, vereadores, juízes trajetórias e experiências de Professores Públicos Primários na Comarca de Porto Seguro (1834-1875). Dissertação (Mestrado em História), Universidade Estadual de Feira de Santana, 2018.

LOPES, Gustavo A. “O tráfico transatlântico de escravos para o Brasil – séculos XVI-XIX”. In: REIS, Isabel. C. F. dos; ROCHA, Solange P. da. (Org.) Diáspora africana nas Américas. Cruz das Almas: Ed. UFRB; Belo Horizonte: Fino Traço, 2016, p. 13-36.

MARTINS, Ricardo André F. Breve panorama histórico da imprensa literária do Maranhão oitocentista. Animus: Revista Interamericana de Comunicação Mmidiática, v.18, jul-dez.; 2010.

MATTOSO, Kátia de Queirós. Ser escravo no Brasil. 2. ed. Tradução James Amado. São Paulo: Brasiliense, 1988.

MELLO, Priscila Leal. Leitura, encantamento e rebelião: o Islã negro no Brasil do século XIX. Tese (Doutorado em História), Universidade Federal Fluminense, 2009.

MENDES, Francimaura C. Marias, Rozendas e Leopoldinas: A experiência de mulheres escravizadas e libertas na Vila de Porto Seguro (1873-1885). 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em História), Universidade Estadual da Bahia, 2015.

MINTZ, Sidney; PRICE, Richard. O nascimento da cultura afro-americana: uma experiência antropológica. Tradução Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Pallas, 2003.

MOTT, Luiz. Rosa Egipcíaca: uma santa africana no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand. 1993;

MOTA, Antônia da Silva. Testamento e Inventário do Preto Forro Vitoriano Ramos da Silva. Ciências Humanas em Revista, São Luís, v. 3, nº 1, p. 203-212, 2005.

OLIVEIRA, Maria Inês Côrtes. O liberto, seu mundo e os outros: Salvador (1790-1890). São Paulo: Corrupio; Brasília, DF: CNPQ, 1988.

REIS, Isabel C. Ferreira. História de Vida Familiar e afetiva de escravos na Bahia do século XIX. Salvador: Centro de Estudos Baianos, 2001.

REIS, João J. “De escravo a rico liberto: a trajetória do africano Manoel Joaquim Ricardo na Bahia oitocentista”. Revista de História, São Paulo, n. 174, jan./jun., p. 15-68, 2016.

_____. Rebelião Escrava no Brasil: a História do levante dos Malês em 1835. Edição revista e ampliada. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

REIS, José Ribamar S. dos. Bumba Meu Boi, o maior espetáculo popular do Maranhão. Editora Funcma, 2001.

REIS, Maria Firmina. Úrsula. A escrava. Atualização do texto e posfácio de Eduardo de Assis Duarte. Florianópolis: Editora Mulheres; Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 2004 [1859; 1887].

RIBEIRO, Alexandre Vieira. O tráfico atlântico de escravos e a praça mercantil de Salvador, c. 1680 – c. 1830. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

ROCHA, Solange. Gente negra na Paraíba oitocentista: população, família e parentesco espiritual. São Paulo: Unesp, 2009.

ROLNIK, Raquel. A cidade e a lei: legislação, política urbana e territórios na cidade de São Paulo. São Paulo: Studio Nobel, 1997.

SANTOS, Cristiane. Entre o fim do império da farinha e início da república do cacau: negros em festas, sociabilidades e racialização no sul da Bahia (1870-1919). Tese (Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos), Universidade Federal da Bahia, 2015.

SANTOS, Joceneide Cunha dos. Negros(as) da Guiné e de Angola: nações africanas em Sergipe (1720-1835). Tese (Doutorado em História), Universidade Federal da Bahia, 2014.

______. Entre Farinhadas, Procissões e Famílias: a vida de homens e mulheres escravos em Lagarto, Província de Sergipe (1850-1888). Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal da Bahia, 2004.

SANTOS, Joceneide; MENDES, Francimaura C. Entre redes de solidariedade e lutas: a experiência das libertas na Vila de Porto Seguro (1873-1885). Revista Gênero, Niterói, Vol.16, n. 2, p.33-54, 2016.

SILVA, Daniel B. Domingues da. “The Atlantic slave trade to Maranhão, 168-1846: volume, routes and organization”. Slavery & Abolition, v. 29, n. 4, p. 447-501, dez. 2008.

SILVA, Iraneide Soares da. É Preta, É Preto em Todo Canto da Cidade: História e Imprensa na São Luís/MA (1820-1850). Tese (Doutorado em História), Universidade Federal de Uberlândia, 2017.

SILVA, Maciel H. C. da. Nem mãe preta, nem negra fulô: história de trabalhadoras domésticas em Recife e Salvador (1870-1910). Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

SLENES, Robert. Na senzala uma flor: esperanças e recordações na formação da família escravista, Brasil Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

SOARES, Mariza. “Indícios para o traçado das rotas terrestres de escravos na Baía do Benin, século XVIII”. In: SOARES, Mariza. Rotas Atlânticas da Diáspora Africana: da Baía do Benim ao Rio de Janeiro. Niterói: Editora UFF, 2007, p. 65-99.

SOUZA, Daniele Santos de. Preto cativo nada é seu? Escravos senhores de escravos na cidade da Bahia no século XVIII. In: RAGGI, Guiseppina; REGO-FIGUERÔA, João; STUMPF, Roberta. (Orgs.) Salvador da Bahia: interações entre América e África (século XVI-XIX). Salvador: EDUFBA; CHAM, 2017, p. 51-72.

THORNTON, John. A África e os africanos na formação do mundo atlântico, 1400-1800. Tradução Marisa Rocha Motta. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

WIED, Maximilian, Prinz Von. Viagem ao Brasil. Tradução Edgar S. de Mendonça e Flávio P. de Figuereido. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Editora da USP, 1989.

WILLIAMS, Eric. Capitalismo e Escravidão. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2012 [1944].

XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana B. de; GOMES, Flávio (Org.). Black women of Brazil in slavery and post-emancipaciton. New York: Diasporic Africa Press, 2016.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2021.55185

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos