AS MULHERES NEGRAS NA ESCRITA DA HISTÓRIA DO CARNAVAL EM FLORIANÓPOLIS: TRAJETÓRIAS E EPISTEMOLOGIAS PLURAIS

Carol Lima de Carvalho

Resumo


O presente artigo busca apresentar alguns aspectos acerca da trajetória de vida de sete mulheres negras na cidade Florianópolis. Diante da conjuntura de uma historiografia que invisibiliza as histórias e memórias afro-diaspóricas, há uma necessidade em evidenciar as epistemologias e narrativas plurais sobre e por população negra no sul do Brasil, reconhecendo, sobretudo as dinâmicas políticas, culturais, sociais e econômicas de mulheres negras. Ao caminhar para esta perspectiva, este artigo tem como protagonistas as mulheres que compõem a minha família, sendo minha bisavó, Gesuína Adelaide dos Santos, minha avó paterna, dona Zenair Maria de Carvalho e minha avó materna, dona Ada Jesuína dos Santos. E também as professoras Neli Góes Ribeiro, Altair Alves Lucio, Valdeonira Silva dos Anjos e Maria de Lourdes da Costa Gonzaga fundadoras da Associação de Mulheres Negras Antonieta de Barros (AMAB). Elas apontaram, e ainda apontam, a relevância daquelas que as antecederam, pois lutaram por equidade de direitos, no âmbito da educação, saúde e cultura, fazendo com que elas pudessem organizar dinâmicas de (re)existências. Através de entrevistas e leitura dos documentos de acervos pessoais, o objetivo é apresentar reflexões sobre suas trajetórias de vidas atravessadas pelo racismo, machismo e sexismo, e que apesar disso elas permaneceram resistindo, principalmente ocupando e construindo universos culturais negros, como por exemplo, o carnaval. Por este motivo, o artigo apresenta a importância em reconhecer suas presenças e protagonismos na construção da cidade, assim como suas epistemologias plurais no sul do Brasil. O artigo insere-se nos estudos sobre universos culturais negros, interseccionalidades, decolonialidade de corpos, tradição oral, oralidades e ancestralidades, questões basilares do campo dos estudos pós-coloniais e decoloniais.


Palavras-chave


mulheres negras; decolonialidade; universos culturais; epistemologias plurais

Texto completo:

PDF

Referências


ABIB, Sara Abreu da Mata; MACHADO, Pedro Rodolpho Jungers. CORPO, ANCESTRALIDADE E AFRICANIDADE: por uma educação libertadora no jogo da capoeira angola. Revista Eletrônica de Culturas e Educação, Brasil, v. 4, n. 2, p. 1-16, nov. 2011.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Polen, 2019. 150 p.

AKOTIRENE, Carla. O que é Interseccionalidade?: Carla Akotirene. Carla Akotirene. 2018. Disponível em: https://www.geledes.org.br/o-que-e-interseccionalidade. Acesso em: 15 mar. 2019.

ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. Brasil: Pólen, 2019. 255 p.

ALVES, Eudaldo Francisco dos Santos; FILHO Janaína Bastos. A TRADIÇÃO ORAL PARA POVOS AFRICANOS E AFROBRASILEIROS: afrobrasileiros: relevância da palavra. Revista Abpn, Brasil, v. 9, n. 1, p. 50-76, dez. 2017.

ANTONACCI, Antonieta Martines. Memórias Ancoradas em Corpos Negros. 2ª ed. ver. e ampl. São Paulo: EDUC, 2013.

ANTONACCI, M. A. M.. África/Brasil: Corpos, Tempos e Histórias Silenciadas. Tempo e Argumento, v. 1, p. 46-67, 2009.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

CARNEIRO, Sueli. Epistemicídio. 2014. Disponível em: https://www.geledes.org.br/epistemicidio/. Acesso em: 29 set. 2020.

CAVALCANTI, Maria Laura; GONÇALVES, Renata (Org.). Carnaval em múltiplos planos. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009. 357 p.

CRENSHAW, K. Desmarquinalizando a Interseção entre Raça e Sexo: Uma Crítica Feminista Negra da Doutrina Antidiscriminação, Teoria Feminista e Política Antirracista. Forum Juridical da Universidade de Chicago, 2002.

DAMASCENO, Daniela dos Santos Tradição Oral, Memória e Narrativa: Considerações sobre o Velho Kaitamba em os Estandartes, 2019, Salvador. Anais XV Enecult, Salvador: Anais, 2019.

EVARISTO, Conceição. Vozes-mulheres. In: EVARISTO, Conceição. Poemas da Recordação e outros movimentos. Rio de Janeiro: Malê, 2017. Cap. 10. p. 24-26.

FONSECA, Christian Gonçalves Vidal da. LIBERDADE, LIBERDADE ABRE AS ASAS SOBRE NÓS: PERSPECTIVA DE FUTURO NOS SAMBAS-ENREDOS DA DÉCADA DE 1980. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL HISTÓRIA DO TEMPO PRESENTE, 3., 2017, Florianópolis. Anais III Seminário Internacional História do Tempo Presente. Florianópolis: SHTP, 2017. p. 1 - 16.

HAMPATÉ BÂ, Hamadou. A tradição viva. In: KI-ZERBO, Joseph (Org.) História Geral da África I: metodologia e pré-história da África. 2ª ed. rev. Brasília: UNESCO, 1982, p.167-212.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Brasil: Cobogó, 2019. 244 p.

KYRILLOS, Gabriela M.. Uma Análise Crítica sobre os Antecedentes da Interseccionalidade. Revista Estudos Feministas, [S.L.], v. 28, n. 1, p. 1-11, jan. 2020. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n156509.

LEMOS, Rosalia. O CARNAVAL AXÉ-NKENDA E A MARCHA DAS MULHERES NEGRAS 2015: uma reflexão desde a perspectiva feminista negra. Niterói: Gênero, v. 16, n. 2, 2016.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 22, p. 935-952, dez. 2014.

MBEMBE, Achile. A crítica da razão negra. São Paulo: Antígona, 2014. 312 p.

MIRANDA, Débora Brasil. Tecendo o futuro: vivências de mulheres negras numa perspectiva intergeracional e familiar. 2015. 179 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Direitos Humanos, Universidade de Brasília, Brasília, 2015. Cap. 5.

MUNANGA, Kabengele ; GOMES, Nilma Lino . O negro no Brasil de Hoje. 1. ed. São Paulo: Global/Ação Educativa, 2006.

MUNANGA, Kabengele ; GOMES, Nilma Lino . O negro no Brasil de Hoje. 1. ed. São Paulo: Global/Ação Educativa, 2006.

NOGUEIRA, Azânia Mahin Romão. O LUGAR DAS PROFESSORAS NEGRAS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. In: MUNDOS DE MULHERES & FAZENDO GÊNERO, 13, 2017, Florianópolis. Anais. Florianópolis: Fazendo Gênero, 2017. v. 13, p. 1 - 12.

OLIVEIRA, Felipe Gabriel. ESPECIAL CARNAVAL: Apresentação. São Paulo: Revista do Núcleo de Antropologia Urbana da Usp, 2019.

PEREIRA, Eduardo Guilherme Barros et al. O MOVIMENTO NEGRO EDUCADOR: saberes construídos nas lutas de emancipação. Em Favor de Igualdade Racial,, Rio Branco, Acre, v. 3, n. 1, p. 118-132, jan. 2020.

PEREIRA, Luciana Marques; NUNES, Margarete Fagundes; JÚNIOR, Norberto Kuhn. A INTERFERÊNCIA DO CARNAVAL NA VIDA DAS MULHERES NEGRAS DE NOVO HAMBURGO. Conhecimento Online, Nova Hamburgo, RS, v. 2, n. 1, p.1-7, mar. 2010.

PINHEIRO, Julia Alves. “EU ORGANIZO O MOVIMENTO, EU ORIENTO O CARNAVAL”: o feminismo das mulheres rodadas no carnaval de rua do rio de janeiro. O FEMINISMO DAS MULHERES RODADAS NO CARNAVAL DE RUA DO RIO DE JANEIRO. 2017. 63 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Sociais, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2017. Cap. 4.

RASCKE, K. L.. DIÁSPORA E CULTURA: contribuições de Stuart Hall à pesquisa sobre agremiações afrodescendentes em Florianópolis (1920-1950). Projeto História (PUCSP), v. 2, p. 422-436, 2016.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017. 111 p.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno Manual Antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019. 135 p.

SILVA, Michele Lopes da. Mulheres negras em movimento fazendo a diferença entre diferentes. In: VI Congresso Português de Sociologia - Mundos Sociais: Saberes e Práticas, 2008, Lisboa - Portugal. Mundos sociais: Saberes e Práticas. Lisboa - Portugal, 2008. v. 01. p. 160-183.

SOUSA, WALLACE HYGOR PEREIRA; SANTOS, ANA BEATRIZ FREITAS DOS; LIMA, TEREZINHA DE JESUS CAMPOS DE, 12, 2017, Fortaleza. XI Encontro Regional Nordeste de História Oral: Ficção e poder: oralidade, imagem e escrita. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2017. 11 p.

TALGA, Jaqueline Vilas Boas; PAULINO, Vanesca Tomé. Valores Civilizatórios Tradicionais Africanos No Brasil. Periódicos UFES, Espírito Santo, p.1-15, dez. 2011.

TRAMONTE, Cristiane. Muito além do desfile Carnavalesco: escolas de samba e turismo educativo no Brasil. Laguna: Revista Pasos, v. 1, 2003.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2020.54980

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos