CONSTRUÇÃO DE TERRITORIALIDADES ANCESTRAIS POR MEIO DO SAMBA EM ANICETO DO IMPÉRIO

Fábio José Paz Rosa

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar a construção de territorialidades ancestrais pelas referências africanas no filme Aniceto do Império, roteirizado, dirigido e produzido por Zózimo Bulbul. Para isso, dialogamos com os conceitos de territorialidades e reterritorialidades nos quais os sujeitos apropriam-se de espaços capazes de serem reelaborados pelas redes de afetos e assim ressignificando suas existências e vivências. Nessa análise, compreendemos essas reterritorializações na corporeidade do protagonista que nomeia o curta-metragem numa busca constante da ancestralidade por meio do samba-resistência, onde Aniceto relaciona religiosidade, trabalho e política para construir novos significados entre processos de liberdade e opressão.


Palavras-chave


Territorialidades; Reterritorialidades; Samba; Aniceto do Império.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, Érika Bastos. O Porto Negro: trabalho, cultura e associativismo dos trabalhadores portuários no Rio de Janeiro na virada do século XIX para o século XX. Tese (doutorado) /223 f.- Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Programa de Pós-Graduação em História. Rio de Janeiro, 2010.

BULBUL, Zózimo. Zózimo por ele mesmo: infância em Botafogo. In De JEFFERSON; VIANNA, Biza (Org.). Zózimo Bulbul: uma alma carioca. Rio de Janeiro, Centro Afro Carioca de Cinema, 2014.

CARVALHO, Noel dos Santos; DOMINGUES, Petrônio. Dogma Feijoada: A invenção do cinema negro brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.33, n º 96, p. 1-18, 2017.

CARVALHO, Noel dos Santos. Zózimo Bulbul por Noel de Carvalho. In Zózimo Bulbul: uma alma carioca. De JEFFERSON; VIANNA, Biza (Org.). Zózimo Bulbul: uma alma carioca. Rio de Janeiro, Centro Afro Carioca de Cinema, 2014.

CARVALHO, Noel dos Santos. O produtor e cineasta Zózimo Bulbul – o inventor do cinema negro brasileiro. Revista Crioula, v. 12, pp 1-21, 2012.

CARVALHO, Noel dos Santos. Cinema e representação social: O cinema negro de Zózimo Bulbul. Tese (Doutorado em Sociologia). FFLCH-USP. São Paulo, 2005.

CRUZ, Maria Cecília Velasco e. Tradições negras na formação de um sindicato. Sociedade de Resistência dos trabalhadores em trapiche e café, 1905-1930. Afro-Ásia, v. 24, pp. 243-260, 2000.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro no Brasil: alguns apontamentos históricos. Tempo. v.12, n.23, pp 101-122. 2007.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo, Rio de Janeiro, 34/Universidade Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

GONZALES, Lélia. O movimento negro na última década. In: GONZALES, Lélia & HASENBALG, Carlos. Lugar de Negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982.

GUATARRI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis-RJ: Vozes, 1996.

GUIMARÃES, Geny Ferreira. Territorialidades silenciadas e apagadas que se tornam visibilizadas por meio da poética negra. [SYN]THESIS, v. 9, n. 2, jun./dez. , p. 31-40, 2016.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 4ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009.

HAESBAERT, Rogério. Dos múltiplos territórios à multiterritorialidade. Disponível https://www.ufrgs.br/petgea/Artigo/rh.pdf. 2004 em: Acesso em: 20 jun 2020.

HOOKS, bell. Olhares negros: raça e representação. Tradução de Stephanie Borges. São Paulo: Elefante, 2018.

LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Trad. Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins (do original: La production de l’espace. 4e éd. Paris: Éditions Anthropos, 2000

MERCER, Koberna. Welcome to the jungle: news positions in black cultural studies. London: Routledge, 1994.

PEREIRA, Amauri Mendes. Trajetória e Perspectivas do Movimento Negro Brasileiro. Belo Horizonte: Nandyala, 2008.

PRUDENTE, Celso. Cinema Negro: Pontos reflexivos para a compreensão da importância da II Conferência de intelectuais da África e da Diáspora (Ensaios). Brasília, 2011, p. 48- 50.

SANTOS, Júlio César. A quem interessa um cinema negro? Revista da ABPN, v. 5, n. 9 nov.–fev., p. 98-106, 2013.

Filmes

ALMA no olho. Direção: Zózimo Bulbul. Rio de Janeiro – RJ, 1974. 12 min

ANICETO do Império: em dia de alforria? Direção: Zózimo Bulbul. Rio de Janeiro – RJ, 1981. 11 min

COMPASSO de espera. Direção: Antunes Filho. São Paulo – SP, 1969. 98 min

EL Justicero. Direção: Nelson Pereira dos Santos. São Paulo – SP, 1967. 80 min

GANGA zumba. Direção: Cacá Diegues. São Paulo – SP, 1963. 120 min

GRANDE sertão. Direção: Geraldo Santos Pereira e Renato Santos Pereira. Brasil, 1965. 92 min

PEDREIRA de São Diogo. Direção: Leon Hirszman. Rio de Janeiro – RJ, 1962. 18 min

TERRA em transe. Direção: Glauber Rocha. São Paulo - SP, 1965. 95 min




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2020.52490

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos