Carnaval, carnavalização e discursos de representação negra no Brasil na construção estética e narrativa do filme Xica da Silva

Mariana Queen Ifeyinweze Nwabasili

Resumo


Este artigo propõe uma análise do filme Xica da Silva (Cacá Diegues, 1976) e de seu contexto de criação, considerando a influência das literaturas brasileiras ficcional e científica sobre relações raciais e de gênero, do carnaval brasileiro e das representações da escravidão negra no Brasil na construção do argumento, roteiro e narrativa audiovisual do filme feita pelos autores Cacá Diegues (direção, argumento e roteiro) e João Felício dos Santos (argumento e roteiro). Propomos também analisar, de forma mais aprofundada do que comumente feito, a relação entre essas instâncias da cultura brasileira, as escolhas estéticas e narrativas do filme Xica da Silva e o conceito de carnavalização conforme investigado pelo semioticista russo Mikhail Bakhtin.

Palavras-chave


carnaval; carnavalização; Xica da Silva; Chica da Silva; mulher negra; cinema brasileiro

Texto completo:

PDF

Referências


Referências bibliográficas

ADAMATTI, M. “Crítica de cinema e patrulha ideológica: o caso Xica da Silva de Carlos Diegues”. In: Revista Famecos – Mídia, Cultura e Tecnologia, Porto Alegre, v. 23, n. 3, set./dez. 2016.

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Editora HUCITEC, 1987.

CARVALHO, N. “Racismo e anti-racismo no Cinema Novo”. In: Estudos de Cinema SOCINE. São Paulo: Anablume, 2008.

DIEGUES, C. Vida de cinema: antes, durante e depois do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Ed. Objetiva, 2014.

FERREIRA, R. Cinema, história pública e educação: circularidade do conhecimento histórico em Xica da Silva (1976) e Chico Rei (1985). Tese de doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), 2014.

FIORIN, J. L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Editora Ática, 2006, p. 117-118.

FURTADO, J. Chica da Silva e o contratador de Diamantes – O outro lado do mito. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

GONZALEZ, L. “Racismo e sexismo na cultura brasileira”, In Primavera Para as Rosas Negras. São Paulo: União dos Coletivos Pan-Africanistas, 2019, p. 190-214.

HOOKS, b. “Comendo o outro: desejo e resistência”, In Olhares negros - Raça e respresentação, São Paulo: Editora Elefante, 2019. p. 64-95.

MACHADO, I, O romance e voz – A poética dialógica de M. Bakhtin. São Paulo, Tese de Doutorado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), São Paulo, 1992.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

_______. “Comunicação e mediações culturais”. In: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. XXIII, n. 1, jan./jun. 2000.

MEIRELES, C. Romanceiro da Inconfidência. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1989.

ORTIZ, C. O romance do gato preto: história breve do cinema. Rio de Janeiro: Editora da Casa do Estudante do Brasil, 1952.

PICCHIARINI, R. “Aspectos cinematográficos”. In: Apontamentos – Xica da Silva, São Paulo: Fundação para o Desenvolvimento da Educação, Diretoria Técnica, Centro de Documentação e Informação para a Educação – Ceduc, 1992.

PINTO, C. “História, sexo e risos: quem tem medo de Xica da Silva?”. In: Fronteiras: Revista Catarinense de História, Florianópolis, n. 21, 2013.

QUEEN NWABASILI, M. As Xicas da Silva de João Felício dos Santos e Cacá Diegues: traduções e leituras da imagem da mulher negra brasileira. Dissertação de Mestrado em Meios e Processos Audiovisuais, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SANTOS, J. F. Xica da Silva. São Paulo: Círculo do livro, 1987.

SANTOS, J. F. Memórias do Distrito Diamantino. Belo Horizonte: Itatiaia Editora, 1976.

SERELLE, M. “The ethics of mediation: aspects of media criticism in Roger Silverstone’s works”. In: Matrizes, São Paulo, v.10 , n.2, mai./ago. 2016.

SOVIK, L. “Chica da Silva: a irrupção da memória negra em um samba-enredo”. In: Palavra cantada: estudos transdisciplinares. Rio de Janeiro: Editora UERJ, 2014, p. 231- 249.

_______. “Quem foi Chica da Silva? A comunicação de uma vida passada”. In: IV Encontro Internacional da Rede de Grupos de Pesquisa em Comunicação: Livro de Resumos, Teresina: EDUFPI, 2016, p. 68-70.

STAM, R. Bakhtin: da teoria literária à cultura de massa. São Paulo: Editora Ática, 2000.

XAVIER, I. Sertão Mar: Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Referências audiovisuais

GANGA Zumba. Direção: Cacá Diegues. Brasil, 1963/1964, 102min, preto e branco. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=uOnK0r6ah4k.

XICA da Silva. Direção: Cacá Diegues. DVD, Programadora Brasil, 116min, colorido.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2020.52258

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos