Por que vendem tanto? O consumo de historiografia comercial no Brasil em tempos de crise (2013-2019)

Rodrigo Perez Oliveira

Resumo


O objetivo deste artigo é examinar o consumo de historiografia comercial no Brasil contemporâneo, caracterizado por uma experiência de crise institucional que, segundo a bibliografia especializada, começou em meados de 2013. O corpus de fontes primárias analisado, portanto, consiste nos livros que, evocando a identidade genérica historiográfica, encontraram grande acolhida no mercado editorial. Em virtude de critérios esclarecidos ao longo do texto, o esforço de análise está concentrado em dois livros específicos: “O guia politicamente incorreto da história do Brasil”, de Leandro Narloch e publicado em 2009, e “A elite do atraso”, de Jessé Souza e publicado em 2017. A hipótese é de que o sucesso comercial desses livros se explica pela capacidade dos autores em mobilizar enunciados de síntese explicativa capazes de proporcionar sensação de orientação histórica.


Palavras-chave


Consumo de historiografia comercial, crise institucional brasileira, enunciados de síntese histórica.

Texto completo:

PDF

Referências


Bibliografia

Fontes primárias

- BRASIL PARALELO. Entrevistas. https://www.youtube.com/watch?v=a8U5XiDcXB0. Consultado em 21 de janeiro de 2020.

- BERR, Henri. Erudição, filosofia da história e síntese. In: MALERBA, Jurandir (Org.). Lições de história: o caminho da ciência no longo século XIX. RJ: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2010. pp. 411-465.

- ______. A síntese em história. SP: Renascença, 1946.

- CARVALHO, José Murilo de. O pecado original da República. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2017.

- GOMES, Laurentino. 1808. São Paulo: Editora Planeta, 2009.

- ______. 1822. São Paulo: Editora Nova Fronteira, 2010.

- ______. 1889. São Paulo: Editora Globo, 2013.

- HARARI, Yuval Noah. Homo sapiens: uma breve história da humanidade. São Paulo: Editora LP& M Pocket, 2018.

- ______.Homo Deus: uma breve história do amanhã. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

- HUMBOLDT, Wilhelm von. (apresentação de Pedro Caldas). Sobre a tarefa do historiador. In: MARTINS, Estevão Rezende. História repensada: teoria e método na historiografia europeia do século XIX. São Paulo: Editora Contexto, 2010. pp. 71-100.

- LYOTARD, François. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio ed, 2009

- MARTIUS, Karl Friedrich von. Como se deve escrever a história do Brasil. IN: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado (ORG). Livro de Fontes da historiografia brasileira. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2010. pp. 61- 94.

- NARLOCH, Leandro. Guia politicamente incorreto da história do Brasil. São Paulo: Ed. Leya, 2009.

- RANKE, Leopold von. (apresentação de Sérgio da Mata). O conceito de história universal. In: MARTINS, Estevão Rezende (ORG). História repensada: teoria e método na historiografia europeia do século XIX. São Paulo: Editora Contexto, 2010. pp. 187-216.

- RHODES, R. C. E. Durkheim and the historical thought of Marc Bloch. Theory and Society, n1, jan/1978. Amsterdan/Londres/Nova York: Elsevier.

- SANTOS, Thomas Giulliano Ferreira. O que é um historiador? Produção Brasil Paralelo

- SCHWARCZ, Lilia Moritz; STARLING, Heloisa. Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

- SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

- SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. São Paulo: Editora Leya, 2017.

- Vídeo publicado pela Secretaria de Comunicação do governo brasileiro em 31 de março de 2019. Consulta em 04 de junho de 2019. https://www.youtube.com/watch?v=4qtyo_ZiIOA

Bibliografia específica

- ALBIERI, Sara; GLEZER, Raquel. O campo da história e as ‘obras Fronteiriças’: algumas observações sobre a produção historiográfica Brasileira e Uma Proposta de Conciliação. Revista IEB, no. 48: 13–30, 2009.

- AMORIM, Mariana. A elite do atraso: livro importantíssimo e problemático. Conversa afiada, 09/05/2018. https://www.conversaafiada.com.br/cultura/a-elite-do-atraso-e-importantissimo-mas Consultado em 04/12/2019

- ARAUJO, Valdei Lopes de. O regime de autonomia avaliativo no sistema nacional de pós-graduação e o futuro das relações entre historiografia, ensino e experiência histórica. Revista Anos 90. Porto Alegre, V. 23. N. 44. pp. 85-110. Dezembro de 2016.

- AVILA, Arthur Lima de. Qual passado usar? A historiografia diante dos negacionismos. Café História – história feita com cliques. Publicado em 29 de abril de 2019. Publicado em 29 abr. 2019. https://www.cafehistoria.com.br/negacionismo-historico-historiografia/ Acesso em 29 de novembro de 2019.

- BRAGA, Ruy. Terra em Transe: o fim do lulismo e o retorno da luta de classes. In. LOUREIRO, Isabel; SINGER, André (ORGS). As contradições do lulismo. São Paulo: Boitempo, 2016. pp. 55-92.

- BOTELHO, André. Passado e futuro das interpretações do Brasil. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 22, n. 1.

- CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: T. A. Queiroz, 2000.

- CHALOUB, Jorge; PERLATO, Fernando. A nova direita brasileira: ideias, retórica e prática política. Insight Inteligência, ano XIX, no. 72, p. 24-41, jan./fev./mar. 2016.

- DETONI, Piero. A síntese como desafio historiográfico na Primeira República. Pequenos estudos de caso. Dissertação de Mestrado. UFOP, 2013.

- DOSSE, François. História em Migalhas: dos annales à Nova História. São Paulo: Ed. Unicamp, 2004.

- FERREIRA, Marieta Moraes. Notas sobre a institucionalização dos cursos universitários de História no Rio de Janeiro. In: GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado (ORG). Estudos sobre escrita da história. Rio de Janeiro: Editora 7 Letras, 2006. p. 139-161.

- FRANZINI, Fabio. A década de 1930, entre a memória e a história da historiografia. In: PEREIRA DAS NEVES, Lucia. M. B; GUIMARÃES, Lucia. M. P; GONÇALVES, Márcia; GONTIJO, Rebeca (Org.). Estudos de historiografia brasileira. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2011.

- GOMES, Ângela de. A República, a história e o IHGB. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009.

- HESKETH, Ian. Diagnosing Froude’s disease: boundary work and the discipline of history in late-Victorian Britain. History and Theory, 47, p. 373-395, out. 2008.

- IGLESIAS, Francisco. Historiadores do Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

- MALERBA, Jurandir. Acadêmicos na berlinda ou como cada um escreve a História?: uma reflexão sobre o embate entre historiadores acadêmicos e não acadêmicos no Brasil à luz dos debates sobre Public History. História da historiografia, 2014, n. 15, p. 27-50.

- MIGUEL, Luís Felipe. Democracia e representação: territórios em disputa. São Paulo: Ed. Unesp, 2014.

- NICOLAZZI, Fernando. Muito além das virtudes epistêmicas: o historiador público em um mundo não linear. Revista Maracanan. p. 18-34. 2018.

- ______. Raízes do Brasil e o ensaio histórico: da história filosófica à síntese sociológica (1836-1936). Revista Brasileira de História, 2016. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 36, nº 73, 2016.

- ______. O Brasil paralelo entre o passado histórico e a picanha de papelão. Sul 21, 07 de abril de 2019. https://www.sul21.com.br/opiniaopublica/2019/04/2019-o-brasil-paralelo-entre-o-passado-historico-e-a-picanha-de-papelao-por-fernando-nicolazzi/. Consultado em 19 de janeiro de 2020.

- OLIVEIRA, Rodrigo Perez. O significado do conceito “corrupção” na semântica política da crise brasileira (2013-2016). Anos 90, Porto Alegre, v. 25, n. 48, p. 379-408, dez. 2018.

- ________. O engajamento político e historiográfico no ofício dos historiadores brasileiros: uma reflexão sobre a fundação da historiografia brasileira contemporânea (1975-1979). História da Historiografia, v. 01, p. 127-222, 2018.

- PEREIRA, Matheus Henrique de Faria. Nova direita? Guerras de memória em tempos de comissão da verdade (2012-2014). Varia História 31 (57 (set-dez), 2015. pp. 853-902.

- ________. Fim do tempo das sínteses? Questões a partir da perspectiva de Mircea Eliade em História das Crenças e das Ideias Religiosas (1976-1983): um “estudo de caso” como motivo à reflexão teórica e metodológica. Revista Fenix. Vol. 8. Ano 2, 2011.

- PINHA, Daniel. Junho de 2013: crítica e abertura da crise da democracia representativa brasileira. Revista Maracanan. N. 8. 2018.

- REMOND, Renné. Por uma história política. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2003.

- REVEL, Jacques. Jogos de escalas. A experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

- REIS, José Carlos. Introdução. BERR, Henri. Erudição, filosofia da história e síntese. In: MALERBA, Jurandir (Org.). Lições de história: o caminho da ciência no longo século XIX. RJ: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2010.

- RÜSEN, Jörn. Como dar sentido ao passado: questões relevantes de meta-história. história da historiografia. Número II, março de 2009.

- SINGER, André. Brasil, junho de 2013: classes e ideologias cruzadas. Novos Estudos, n° 97, novembro de 2013.

- SANTOS, Wanderley Guilherme dos. A democracia impedida: o Brasil no século XXI. Rio de Janeiro: FGV, 2017.

- SOUZA, Jessé. A radiografia do golpe. Rio de Janeiro: Leya, 2016.

- TOLENTINO, Thiago Tito Lenine. Pensamento social brasileiro em perspectiva histórica: teoria e crítica. História da Historiografia. V. 12. n. 31, sete-dez, ano 2019, pp. 338-379.

- VENÂNCIO, Renato Pinto. O incorreto no guia politicamente incorreto da história do Brasil. HH Magazine, 09/11/2018. https://hhmagazine.com.br/o-incorreto-no-guia-politicamente-incorreto-da-historia-do-brasil/consultado em 28/11/2019

- VENTURA, Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil. 1870- 1914. SP: Companhia das Letras, 1991.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2020.49519

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

ISSN:2179-7528