O ENSINO DE HISTÓRIA EM COVERGÊNCIA: DISPUTAS E RESISTÊNCIAS EM TEMPOS DE CIBERESPAÇO E MOVIMENTOS CONSERVADORES

Raone Cassin Maia Ferreira

Resumo


Este artigo propõe tecer reflexões sobre como professores de história tem buscado refletir sobre questões relativas à sua prática nos diferentes espaços de produção do conhecimento histórico, principalmente a partir da emergência de projetos de lei, narrativas conservadoras e práticas que tem produzido disputas pelo Ensino de História no Ciberespaço. Defendemos, portanto, a tese de que o Ensino de História se encontra em Convergência entre as mídias e as três esferas de produção do conhecimento histórico: a Escola, a Universidade e o Espaço Público.


Palavras-chave


Ensino de História; Ciberespaço ;Movimento Conservador; História em Convergência

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, R. DE. A onda quebrada - evangélicos e conservadorismo. Cadernos Pagu, n. 50, 2017

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BERGMANN, Klaus. A história na reflexão didática. Revista Brasileira de História, v. 9, n. 19, p. 29-42, 1989.

BUCKINGHAM, David. Cultura digital, educação midiática e o lugar da escolarização. Educação & Realidade, v. 35, n. 3, 2010

CASTELLS, Emmanuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz & Terra, 2016.

___________. A era da intercomunicação. Disponível em: <> Acessado em 10 de maio de 2016.

CHEVALLARD, Y. La Transposition Didactique. Grenoble: La Pensée sauvage, 1991.

DARNTON, Robert. A questão dos livros: passado, presente e futuro. São Paulo: Companhia de Letras, 2010

GALLINI, Stefania; NOIRET, Serge. La historia digital en la era del Web 2.0. Introducciónaldossier Historia digital. In: Historia crítica, n. 43, Bogotá, 2011, p. 16-37.

GINZBURG, Carlo. História na era Google. In: Fronteiras do Pensamento 2010. Porto Alegre: 2010. Disponível em: <>. Acessado em 22 de maio de 2016.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

. Cultura da Conexão. São Paulo: Aleph, 2014.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LÉVY, Pierre & LEMOS, André. O futuro da internet: em direção a uma ciberdemocracia. São Paulo: Paulus, 2010.

MELO, Demian. A Direita ganha as ruas: Elementos para um Estudo das Raízes ideológicas da direita brasileira. In: A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

MONTEIRO, Ana Maria. Professores de História: entre saberes e práticas. Mauad Editora Ltda, 2007.

. A história ensinada: algumas configurações do conhecimento escolar. História&Ensino, v9, 2003. Revista do laboratório do Ensino de História da UEL.

MONTEIRO, Ana Maria e PENNA, F. de A. Ensino de história: saberes em lugar de fronteira. Revista Educação & Realidade. Vol. 26, nº 1, jan/abr, 2002, pp; 191-211.

NOIRET, Serge. História pública digital. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 28-

, maio 2015

PENNA, Fernando; AQUINO, Renata. As operações que tornam a história pública. In: MAUAD; RABELO; SANTHIAGO. História pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

RÜSEN, Jörn. Aprendizado histórico. In: Jörn Rüsen e o ensino de História. Curitiba: Ed. UFPR, 2010a, pp. 41-49.

. ¿Qué es la cultura histórica? Reflexiones sobre una nueva manera de abordar la historia. 1994. Disponível em: http://www.culturahistorica.es/ruesen.castellano.html. Acesso em 20 de maio de 2016.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2020.49436

Apontamentos



Direitos autorais 2020 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

ISSN:2179-7528