RAMIRO LADEIRO MONTEIRO E OS MUSSEQUES DE LUANDA: A ANTROPOLOGIA A SERVIÇO DO COLONIALISMO PORTUGUÊS

Rogerio da Silva Guimarães

Resumo


 O artigo tem por objetivo analisar as representações sociais sobre os musseques erigidas na obra A Família nos musseques de Luanda: Subsídios para o seu Estudo, de Ramiro Ladeiro Monteiro. Para cumprir tal desiderato, evidenciamos a relação entre o discurso proferido pelo autor na obra e sua ocupação no governo colonialista. Ou seja, como os musseques têm suas representações forjadas por um agente colonial, que se debruçou antropologicamente sobre aquelas localidades para dar-lhes uma cientificidade ainda inexistente nas ciências humanas. Ressaltamos que as representações sociais sobre os musseques produziram estratégias e práticas (sociais e políticas) que visavam, neste caso, legitimar um projeto reformador.

 


Palavras-chave


Ramiro Ladeiro Monteiro – musseques – antropologia colonial – representação social.

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO FILHO, Silvio de Almeida. A criminalidade nos Musseques Caluandas e nas Favelas Cariocas na década de 1970: uma análise comparativa. [s.d.a] Disponível em: Acesso em 20. out. 2009. (a)

CHARTIER, Roger. A História Cultural: Entre Práticas e Representações. Rio de Janeiro: Bertrand, 1990.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica. Antropologia e Literatura no século XX. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 2002.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Sezala. In: CABRAL, Thais P. Da teoria ao discurso da memória: breves reflexões sobre o luso-tropicalismo. In: GUIMARÃES, Lúcia Maria; SARMENTO, Cristina (Org.) Culturas cruzadas em português. Coimbra: Almedina, 2011. p. 89-111.

GUIMARÃES, Rogério da Silva. Musseques de Luanda: duplos olhares. Luandino Vieira e Ladeiro Monteiro (década de 1960). Dissertação (Mestrado em História Comparada) – Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 2012. 118p.

MONTEIRO, Ramiro Ladeiro. A família nos Musseques de Luanda: Subsídios para o seu estudo. Luanda: F.A.S.T.A., 1973. 493 p.

MOURÃO, Fernando Augusto Albuquerque. Continuidades e descontinuidades de um processo colonial através de uma leitura de Luanda: uma interpretação do desenho urbano. São Paulo: Terceira Imagem, 2006.

PEREIRA, Rui. Antropologia aplicada na política colonial portuguesa do Estado Novo. Revista Internacional de Estudos Africanos, Lisboa, n. 4 e 5 (jan-dez), 1986. p. 191-235.

RIBEIRO, Orlando. Problemas da Investigação Científica Colonial, Lisboa, 1950. In.

SERRA, Paula. Fundador das secretas morreu aos 79 anos. Correio da Manhã, Lisboa, 4 maio 2010. Disponível em: . Acesso em: 10.out. 2010.

THOMAZ, Omar Ribeiro. "O bom povo português": usos e costumes d´aquém e d´além-mar. Mana [online]. 2001, vol.7, n.1, pp. 55-87. Disponível em: . Acesso em 02.fev.2011.

______. O bom povo português: antropologia da nação e antropologia do império. In. L’Estoile; Sigaud; Neiburg (orgs). Antropologia, Impérios e Estados Nacionais. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2019.47428

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos