MBYÁ GUARANI EM BUSCA DO YVY MARÃE‟Y: MÚLTIPLOS LUGARES E TEMPOS, DIFERENTES CONTEXTOS E ESPAÇOS, TRILHANDO SONHOS E ESPERANÇAS[1]

Rosalvo Ivarra Ortiz, Almires Martins Machado

Resumo


 Torna-se axiomático que não há uma linearidade no que tange a interiorização, a dispersão e a caminhada Guarani a posteriori ao processo de colonização, onde ocorreram somente sob o signo de “relutância” a essa ou por outras indagações, como dissensos internos ou motivação cosmológica, assim como se o Oguatá (caminhar/andar/percorrer) trancorriam antes da chegada dos colonizadores e se aconteciam, quais seriam as razões/causas/motivos? Para possíveis respostas vem a luz a contribuição de Pompa (2004), que através da contextualização e historicização dos trabalhos clássicos da etnologia Tupi-Guarani do início do século XX, critica a resposta elaborada por Métraux (1967) que apresentou os Tupinambá ou Tupi do período colonial- os Guarani do Paraguai e do Sul do Brasil, como possuidores de um único sistema, no qual a narrativa da terra sem mal e o messianismo são considerados como elementos irredutíveis. Assim, a crítica refere-se à utilização que o autor faz de dados de etnografias do começo do século XX, especialmente de Curt Nimuendaju, ([1914]-1987), para preencher hiatos nas fontes históricas dos séculos XVI e XVII, nos relatos de missionários, aventureiros e viajantes- portanto, pressupõe a existência desse sistema, a considerar que insiste na importância da força religiosa pela busca dessa tão sonhada terra, aponta como sendo o fato motivador das migrações realizadas pelos Tupi-Guarani durante esse primeiro período de contato. É nesse sentido que o presente artigo segue, levanta uma série de questões geográficas, históricas e antropológicas acerca dos Guarani Mbyá da Amazônia Meridional paraense, sobretudo, mas também perpassam pelos Guarani de Mato Grosso do Sul e os Guarani praieiros de São Paulo.

 

 

 


 


Palavras-chave


Guarani; Cosmologia; Busca da terra sem mal.

Texto completo:

PDF

Referências


Referências bibliográficas

AGUIAR, Rodrigo Luiz Simas. Profecias Apocalípticas na Cosmologia Mbya-Guarani. Mediações: Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 18, p. 244, 2013.

ALMEIDA, Rubem Ferreira Thomaz de. O caso Guarani: o que dizem os vivos sobre os que se matam? In: RICARDO, Carlos Alberto (ed.). Povos Indígenas no Brasil: 1991/1995. São Paulo: Instituto Socioambiental, 1996. p. 725 -728.

CHAMORRO, Graciela. Terra madura, yvy araguyje: fundamento da palavra guarani. Dourados, MS: Editora da UFGD, 2008.

COMBÉS, Isabelle. “Pai Sumé, El Rey Blanco e El Paititi”. Antropos, Brasília, DF, v. 106, p. 99 - 114, 2011.

CLASTRES, Helene. Terra sem mal. São Paulo: Editora brasiliense, 1978.

DE BRY, Theodor. Americae. Frankfurt: Officina Theodori de Bry, 1592.

GADELHA, Regina Maria A. F. (ed.). Missões Guarani: impacto na sociedade contemporânea. São Paulo: Educ, 1999. 391 p. (Edições comemorativas).

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 1989.

GUARANI RETÃ: POVOS GUARANI NA FRONTEIRA ARGENTINA, BRASIL E PARAGUAI. [S. l: s. n.], 2008.

JULIEN, Catherine. Kandire in real time and space: sixteenth century expedition from the pantanal to the Andes. Ethnohistory, Columbus,. v. 54, n. 2, p. 245 – 272, 2007.

LADEIRA, Maria Inês. Aldeias livres Guarani do litoral de São Paulo e da periferia da capital. In: MONTEIRO, John Manuel et al (org.). Índios no estado de São Paulo: resistência e transfiguração. São Paulo: Yankatu, 1984.

LADEIRA, Maria Inês. Yvy marãey; renovar o eterno. Suplemento Antropológico, v. 34, n. 2, p. 81-100, 1999.

MELIÁ, Bartomeu. La vida en las reduciones jesuiticas de guaraníes o el uso perfecto del tiempo In: MELIÁ, Bartomeu. El Guarani conquistado y reducido: ensaios de etnohistoria. Asunción: Universidad Católica, 1988.

MELIÁ, Bartomeu. Una nación, dos culturas. Asunción: CEPAG, 1990.

MELIÁ, Bartomeu. El guarani: experiência religiosa. Asunción: CEADUC-CEPAG, 1991.

MELIÁ, Bartomeu. La lengua Guaraní del Paraguay: historia, sociedad y literatura. Madrid, España: Editorial MAPFRE, 1992.

MELIÀ, Bartolomeu. El Guaraní Conquistado y Reduzido: ensayos de etnohistoria. 3ª Ed. Asunción: CEADUC, 1993.

LÉVI-STRAUSS, Claude. “Race et Histoire”. In: Anthropologie Structurale Deux. Paris: Plon. pp. 377-422, 1973 [1952].

LITAIFF, Aldo. Sem tekoa não há teko: sem terra não há cultura: estudo e desenvolvimento autosustentavel de comunidades indígenas Guarani. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 2, n. 2, p. 115 - 123, jul./dez. 2008.

MÉTRAUX, Alfred. Migrations hitoriques des tupi-guarani. Journal de la Société de Americanistes, Paris, v. 19, p. 1 – 45, 1927.

MÉTRAUX, Alfred. Religions et magies indiennes d‟Amérique du Sud. França: Edições Gallimard, 1967.

MÉTRAUX, Alfred. A religião dos Tupinambás e suas relações com as demais tribos Tupi-Guarani. São Paulo: Companhia Editora Nacional: Editora da Universidade de São Paulo, 1979.

MONTOYA, Antonio. Ruiz. Vocabulário y tesoro de la Lengua Guarani ó mas bien Tupi. Viena: Faesy y Frick, 1876.

NOELLI, Francisco Silva. Sem Tekohá não há Teko: em busca de um modelo etnoarqueológico da aldeia e da subsistência Guarani e sua aplicação a uma área de domínio no Delta do Rio Jacui- RS. 1993. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 1993.

NIMUENDAJU, Curt. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos Apapocuva-Guarani. São Paulo: HUCITEC: EDUSP, [1914] - 1987.

PISSOLATO, Elisabeth. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo Mbya (Guarani). São Paulo: Editora UNESP; Rio de Janeiro: NuTi, 2007.

POMPA, Cristina. O profetismo tupi-guarani: a construção de um objeto antropológico. Revista de Indias, Espanha, v. 64, n. 230, p. 141 – 174, 2004.

SCHMITZ, Pedro Ignácio. El Guaraní en Rio Grande do Sul: la colonización del Monte y los frentes de expansión. Estudos Leopoldenses, São Leopoldo, v. 18, n. 64, p.185-206, 1982.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura Guarani. São Paulo: Difusão européia do livro, 1972.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura Guarani. São Paulo: Difusão européia do livro, 1974.

SOARES, Mariana de Andrade. Caminhos para viver o mbya reko: estudo antropológico do contato interétnico e de políticas públicas de etnodesenvolvimento a partir de pesquisa etnográfica junto a coletivos guarani no rio grande do sul. 2012. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2012.

SUSNIK, Branislava. Los aborígenes del Paraguay II: etnohistória de los guaraníes, época colonial. Assunción: Museu etnográfico Andrés Barbero, 1980 – 1982.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2019.47420

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos