PRECONCEITO EM FOCO NA SALA DE AULA: ENTRE O DEBATE O TRABALHO DE CAMPO

Priscila Aquino Silva

Resumo


Eurocentrismo e ensino de História são duas instâncias que têm caminhado lado a lado ao longo da construção da disciplina nos livros didáticos e nas salas de aulas no Brasil. Ao valorizar a arte, a cultura e a história europeias enquanto fundadoras de nossa identidade, o currículo de História se tornou além de eurocêntrico, etnocêntrico. O conceito de etnocentrismo e seu resultado prático em uma sociedade que reproduz o racismo foi o foco de uma atividade didática que envolveu os alunos do 6º ano do Ensino Fundamental de uma escola da rede privada de Niterói, Rio de Janeiro. O objetivo foi colocar em debate o preconceito racial através da discussão sobre racismo institucional e estrutural, envolvendo os alunos em um trabalho de campo em quatro lugares diferentes da cidade. O presente artigo pretende apresentar essa proposta didática, atuando como divulgador de uma atividade que pode ser reproduzida em outros ambientes escolares.


Palavras-chave


Racismo institucional – Racismo Estrutural – Etnocentrismo – Ensino de História

Texto completo:

PDF

Referências


BITTENCOURT, Circe M. Fernandes. Ensino de História: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2005.

BIROLI, Flávia. Divisão Sexual do Trabalho e Democracia. In: DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 59, no 3, 2016. pp. 719 a 681.

BORTOLUCI, José Henrique. Para além das Múltiplas Modernidades: Eurocentrismo, Modernidade e as Sociedades Periféricas. In: PLURAL, Revista do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da USP, São Paulo, v. 16, n. 1, pp. 53-80, 2009.

DE ALMEIDA, Silvio Luiz. O que é racismo estrutural?. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura, um conceito Antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. 2001.

MACHADO, Celso Júnior, BAZANINI, Roberto e MANTOVANI, Daielly Melina Nassif. O mito da democracia racial no mercado de trabalho: análise crítica da participação dos afrodescendentes nas empresas brasileiras. Revista Organizações & Sociedade - v. 25, n. 87, p. 632-655, out./dez. 2018 DOI 10.1590/1984-9250875 | ISSN Eletrônico – 1984.

MARTINEZ, Aldilson, LEME, Ricardo Carvalho. O trabalho de Campo como metodologia de Ensino de Geografia – o estudo de caso da Vila Malvima – Guaíra/ PR. Disponível em: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/producoes_pde/artigo_adilson_martinez.pdf. Acesso em 30 de jun. 2019.

NAACP Legal Defense and Educational Fund, Inc “The significance of “The Doll test”. Disponível em https://www.naacpldf.org/ldf-celebrates-60th-anniversary-brown-v-board-education/significance-doll-test/ Acesso em 30 de jun. 2019

QUEIROZ, Bartolomeu Campos. Nascemos Livres. São Paulo: SM Editora, 2008.

ROBYN, Ingrid. Capitalismo, esquizofrenia e raça. O negro e o pensamento negro na modernidade ocidental. In: Topoi (Rio J.) vol.18 no.36 Rio de Janeiro Sept./Dec. 2017

ROCHA. Everardo Guimarães P. O que é etnocentrismo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1989.

KELLNER, Douglas. “Lendo imagens Criticamente: em direção a uma pedagogia pós-moderna”. In. Alienígena na sala de aula – uma introdução aos estudos culturais em educação SILVA, Tomaz Tadeu. (org) Autêntica. Belo Horizonte. 1999.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2019.44741

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

ISSN:2179-7528