MARCAS DA ACÇÃO COLONIAL EM ANGOLA: A LUZ DAS MEMÓRIAS E NARRATIVAS DE ESCRITORES ANGOLANOS.

Yuri Manuel Francisco Agostinho

Resumo


Este artigo analisa as memórias de escritores angolanos na obra de Michel Laban. No quadro das memórias, é possível encontrar no centro das questões, processos políticos que tiveram lugar no contexto colonial. O colonialismo, a questão do indígena e a estrutura hierárquica racial que existiu em Angola até 1961, são variáveis que estão atreladas na memória e abertas à lógica da realidade histórica. Assim, ao buscar-se as memórias de escritores angolanos, pretende-se compreender o colonialismo e a situação colonial em Angola.

 


Palavras-chave


Memórias, Situação Colonial, História de Angola.

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, Yuri Manuel Francisco. Os «indígenas» entre o dualismo e a segregação no espaço urbano de Luanda, 1930 -1960. Revista Cadernos de África Contemporânea, ano I, nº I,jan/jun.,2018.

ALBERTI, Verena. História oral: a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro: CPDOC/ FGV, 1989.

BENDER, Gerald J. Angola Sob o Domínio Português - Mito e Realidade. Luanda: Editora Mayamba, 2013.

BIRMINGHAM, David. Breve História da Angola Moderna (séc. XIX-XXI). Lisboa: Guerra & Paz, 2015.

BOSSLET, Juliana Cordeiro de Farias. A cidade e a Guerra: Relações de poder e subversão em São Paulo de Assunção de Luanda (1961 – 1975). 2014. 263 folhas. Dissertação (mestrado em História Social), Universidade Federal Fluminense, Niterói.

CASTELO, Cláudia. “Novos Brasis” em África desenvolvimento e colonialismo português tardio. Varia Historia, vol. 30, nº 53, mai/ago., 2014.

DOMINGOS, Nuno e PERALTA, Elsa. Cidade e Império: Dinâmicas coloniais e reconfigurações pós – coloniais. Lisboa: Edições 70, 2013.

LABAN, Michel. Angola- Encontro com Escritores. Porto: Edição Fundação Eng. António de Almeida, I vol, 2002.

LABAN, Michel. Angola- Encontro com Escritores. Porto: Edição Fundação Eng. António de Almeida, II vol, 2002.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 1996.

MBUTA, Zawua N. Percepções da cor da pessoa e do tipo angolano. 2015. 290 folhas. (Dissertação de Mestrado em Antropologia social), Faculdade de filosofia, letras e ciências humanas da universidade de São Paulo, São Paulo.

NASCIMENTO, Washington Santos. Gentes do Mato: os “novos assimilados em Luanda” em Luanda (1926 – 1961). 2013. 235 folhas. (Tese de Doutoramento), Programa de Pós Graduação em História Social, Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo.

NETO, Maria da Conceição. Ideologias, contradições e mistificações da colonização de Angola no século XX. Lusotopie, 1997.

NETO, Teresa da Silva. História da Educação e Cultura de Angola: Grupos Nativos, Colonização e a Independência. Lisboa: Alpiarça, 2ªed., 2012.

NORA, Pierre. Entre Memória e História: a problemática dos lugares. In: Projeto história. São Paulo: PUC, n. 10, dez., 1993.

PIMENTA, Fernando Tavares. Identidade e urbanidades na África Colonial Portuguesa: Angola e Moçambique. In:Tra due crisi Urbanizzazione, mutamenti sociali e cultura di massa tra gli anni Trenta e gli anni Settanta a cura di Matteo Pasetti, Quaderni di Storicamente. Bologna: Cooperativa Libraria Universitária Editrice., 2013.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2019.42074

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

ISSN:2179-7528