NÓS, OS DO MAKULUSU, ROMANCE DE GUERRA COMBATE, VIOLÊNCIA E LIBERTAÇÃO NA NARRATIVA DE LUANDINO VIEIRA

Edvaldo Aparecido Bergamo, Rogério Max Canedo Silva

Resumo


O presente artigo analisa ao obra Nós, os do Makulusu (1974) como um romance de guerra, em Angola, figurando os impasses étnico-culturais e socioeconômicos gerados por um conflito bélico num país em processo de descolonização, que logo deixaria de ser domínio luso e se tornaria uma nação independente. Um território africano convulsionado pelo embate  oriundo da luta de libertação nacional na segunda metade do século XX, eis a matéria histórica transfigurada esteticamente, a qual é convertida em aspecto determinante do relato arquitetado por Luandino Vieira.

 


Palavras-chave


Angola, literatura e história; libertação nacional; romance de guerra; Luandino Vieira

Texto completo:

PDF

Referências


ABDALA JUNIOR, Benjamin. Literatura, história e política: literaturas de língua portuguesa no século XX. São Paulo: Ática, 1989.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. Trad. de Denise Botmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

ANDERSON, Perry. “Trajetos de uma forma literária”. In: Novos Estudos CEBRAP, Trad. de Milton Ohata, São Paulo, nº 77, 205-220, 2007.

CHAVES, Rita. “Nós, os do Makulusu: memória e liberdade na ficção angolana”. In. VIEIRA, José Luandino. Nós, os do Makulusu. São Paulo: Ática, 1991.

________. “José Luandino Vieira: o verbo em liberdade”. In. ______. A formação do romance angolano. Entre intenções e gestos. FFLCH/USP. São Paulo, 1999. Coleção Via Atlântica, nº 01.

________. Angola e Moçambique: experiência colonial e territórios literários. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. Literaturas africanas de língua portuguesa: percursos da memória e outros trânsitos. Belo Horizonte: Veredas & Cenários, 2008.

HOBSBAWM, Eric J. Nações e nacionalismo desde 1780. 5. ed, Trad. de Maria Celia Poli e Anna Maria Quirino. São Paulo: Paz e Terra, 1990.

LUKÁCS, György. Estética: problemas de la mimesis. Trad. Manuel Sacristán. Barcelona-México: Grijalbo, 1966. Vol. 2

________. O romance histórico. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2011.

MATA, Inocência. A literatura africana e a crítica pós-colonial. Reconversões. Luanda: Nzila, 2007.

OLIVEIRA, Jurema. “O romance em Angola: ficção e história em Pepetela”. Anais da ANPUH. Natal/RN, p. 01-11, de 22 a 26 de julho de 2013.

GINZBURG, Jaime “A guerra como problema para os estudos literários” In: PADILHA, Laura Cavalcante; SILVA, Renata Flavia da (orgs.). De guerras e violências: palavra, corpo, imagem. Niterói/RJ: Eduff, 2011. pp. 25-33.

VIEIRA, José Luandino. Nós, os do Makulusu. São Paulo: Ática, 1991.




DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2019.42040

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Autor concedendo à Revista Transversos o direito de primeira publicação.

ISSN:2179-7528