A memória do corpo calado: das cenas, das questões e dos processos de uma filosofia do cotidiano

Edson Teles

Resumo


DOI: 10.12957/transversos.2018.33709

O artigo problematiza a dupla construção inscrita no livro testemunho “Retrato calado”. Por um lado, o autor busca elaborar o luto e a memória em relação às suas experiências com as prisões e a tortura durante a ditadura. Por outro, as mesmas experiências servem como pano de fundo para processos de criação conceitual. A questão central, recorrendo ao auxílio de minhas próprias experimentações em relação ao período ditatorial, se refere à possibilidade de produção de certa filosofia do cotidiano como forma de conferir maior profundidade às análises do vivenciado em territórios que habitamos.

Palavras-chave: Luiz Roberto Salinas Fortes; testemunho; conceito; tortura.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2018.33709

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista TransVersos

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos