Álvaro Alberto, um agente do Estado e da guerra entre democracias e ditaduras: notas e trajetória de pesquisa

Fabrícia Nascimento Silva de Oliveira

Resumo


DOI: 10.12957/transversos.2018.33707

O presente trabalho tem por objeto a atuação de uma fábrica de explosivos denominada Rupturita S/A Explosivos, instalada no 3° Distrito de Nova Iguaçu no final da década de 1940 e a trajetória de vida de seu mentor, Almirante Álvaro Alberto da Motta Silva. A partir da narrativa de uma trajetória pessoal na construção de um objeto de pesquisa acadêmico, pretende-se compreender a relação entre o processo de expropriação e exploração da classe trabalhadora na Baixada Fluminense, com o desenvolvimento de uma da indústria de guerra. Álvaro Alberto morre em 1976, após uma longa e íntima trajetória com o desenvolvimento militar do Estado brasileiro. A Rupturita S/A Explosivos, contudo, encerra suas atividades apenas em 1994. O encerramento dessas atividades não representa o fim dessa história no território iguaçuano, que segue sendo explorado pela empresa Condor Tecnologias não letais, a mesma que fabrica spray de pimenta, bala de borracha, arma de choque e afins, utilizadas na repressão da classe trabalhadora e campesina, desde a Baixada Fluminense até o Oriente Médio.

Palavras-chave: Rupturita; Indústria de armas; Nova Iguaçu; Álvaro Alberto.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2018.33707

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista TransVersos

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos