MUSEU AFRO BRASIL: A QUERELA DA IDENTIDADE

Ana Carla Hansen da Fonseca

Resumo


DOI: 10.12957/transversos.2017.29989

O processo de Diáspora dos africanos escravizados reformulou o conceito de identidade face às múltiplas experiências e trocas culturais ocorridas através do Atlântico. Buscando refletir sobre os avanços e limites do trabalho dos museus na construção de memórias e identidades, o artigo se debruça brevemente sobre a história da preservação do patrimônio africano nos museus etnográficos e de arte do século XIX e XX, com a intenção de compreender em que medida estes colaboravam ou não para a formação de uma identidade positiva dos povos representados e de que forma o Museu Afro Brasil avança em relação aos museus dos séculos anteriores, e quais os entraves encontra ao ser colocado pela curadoria como um espaço em que o negro brasileiro se reconhece.

 


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2017.29989

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos