VESTÍGIOS DE UMA FÁBRICA BRITÂNICA EM FOTOGRAFIAS DE SEUS TRABALHADORES

Rute Andrade Castro

Resumo


DOI: 10.12957/transversos.2017.29543

Este artigo é parte de uma pesquisa maior que estuda a exploração britânica de recursos minerais e humanos num contexto imperialista do século XIX, em uma vila do sul da Bahia- Brasil. Maraú faz parte da região conhecida com Costa do Dendê e no século XIX sua economia girava em torno da produção de produtos primários. Em meados do século XIX, entretanto, com a descoberta de carvão, turfa e xisto betuminoso, a vila de Maraú tornou-se conhecida dos britânicos, primeiro por Edward Pellew Wilson que obteve autorização imperial para explorações, apesar de já existirem brasileiros trabalhando nisso. Aproximadamente 20 anos depois a autorização foi transferida para seu compatriota John Cameron Grant, que abriu uma fábrica para produzir ácido sulfúrico, velas, sabão e sabonete. Aqui iremos explorar as possibilidades históricas de quatro fotografias deste empreendimento.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2017.29543

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos