AFRICANAS, LIBERTAS E SEUS FILHOS EM NARRATIVAS DE VIOLENCIAS E OUTROS DRAMAS ENTRE A ESCRAVIDÃO E O PÓS-ABOLIÇÃO NO SUL DA BAHIA

Cristiane Batista Silva Santos

Resumo


DOI: 10.12957/transversos.2017.29494

Este texto trata de histórias de adversidades femininas vivenciadas por africanas e suas descendentes, escravizadas, libertas ou livres pobres em situações de violência nas mais variadas formas entre as décadas finais da escravidão e duas posteriores a abolição. No sul da Bahia, a justiça foi uma arena bastante frequentada por estas mulheres, seja por mães em cobranças de soldada, por seus filhos ingênuos ou mesmo por queixarem-se de violência física. Recorrendo a uma gama variada de fontes como processos cíveis de soldada, testamento e os processos crimes de defloramento essas histórias em conjunto revelam a complexidade de ser mulher, negra e escravizada.

 


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2017.29494

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos