Guerra colonial e independência de Angola: O fim da guerra não é o fim da guerra

Zoraide Portela Silva

Resumo


DOI: 10.12957/transversos.2016.25600

O objetivo deste trabalho é efetuar uma breve análise do processo de independência de Angola, levado a efeito pelos seus grandes movimentos de libertação nacional nos marcos do colapso do colonialismo português. Tentaremos analisar brevemente o momento de passagem de uma guerra de natureza essencialmente anticolonial para o cenário das disputas internas (guerra civil) configurado no período em que a independência estava “agendada”, embora ainda não configurada – que correspondeu ao momento de “suspensão” caracterizado pelo governo de transição entre janeiro e novembro de 1975.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2016.25600

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos