O SEQUESTRO DO IMAGINÁRIO E A ESCRITA DA HISTÓRIA: O CASO DOS MEMES HISTÓRICOS E AS RECEPÇÕES DO NAZISMO

Caroline Alves Marques Mendes, Marcella Albaine Farias da Costa

Resumo


DOI: 10.12957/transversos.2016.23004

A era digital abre novas possibilidades comunicativas aos sujeitos envolvidos nos processos de produção, escrita e ensino da História. O presente texto tem por objetivo discutir especificamente a linguagem dos chamados memes, pensando-os enquanto possibilidade recursiva na divulgação e no ensino da disciplina de História na educação básica. Articulando a universidade e a escola de forma não hierarquizada, pretende-se abordar o processo de construção de memes históricos com alunos do ensino médio de um colégio do Rio de Janeiro e a posterior análise do material com licenciandos da disciplina de Didática Especial de História da UFRJ, problematizando, a partir do diálogo entre Ensino de História, História Pública e História Contemporânea, o predomínio da temática do nazismo nas produções discentes.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2016.23004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos