Oxalá cresçam pitangas: o documentário na história do cinema em Angola

Paula Faccini de Bastos Cruz

Resumo


DOI: 10.12957/transversos.2016.22075

Este artigo se propõe a analisar as construções narrativas das identidades no cinema contemporâneo angolano, por meio do estudo da obra cinematográfica Oxalá cresçam pitangas. Para tanto, estudou-se a formação de uma tradição do documentário como forma de linguagem cinematográfica nesse país. Inferiu-se que as identidades foram sendo desenhadas através dos tempos, em função da mudança do lugar de fala das produções. No documentário analisado o discurso se escreve a partir de um país independente, e seus produtores são expoentes da cultura angolana de sua geração: Ondjaki, premiado literato, mostra sua dimensão de cineasta, dividindo a realização de Oxalá com Kiluanje Liberdade, um dos maiores documentaristas angolanos do momento (2016).


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2016.22075

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos