CORPOS ESCRAVIZADOS: QUE HISTÓRIAS CONTAM?

Iamara da Silva Viana

Resumo


DOI: 10.12957/transversos.2015.19800

O presente artigo apresenta como cerne o corpo escravizado no início do século XIX por meio do discurso do médico francês Jean-Baptiste Alban Imber, formado em Montpellier, que chegou ao Brasil em 1831. Nele observaremos como referida história pode ser construída e quais as preocupações deste médico relativas ao momento em que o debate sobre o fim do Tráfico Transatlântico entra em pauta. O corpo escravizado, força de trabalho utilizado nos plantéis do principal produto de exportação a partir dos anos 1830 – o café -, pode ser pensado como “uma realidade bio-política” e a medicina “uma estratégia bio-política” segundo Foucault (1979: 80), e a partir destas definições desenvolveremos nossas reflexões.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2015.19800

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos