ANTROPOLOGIA CRIMINAL E PROSTITUIÇÃO: A MATEMATIZAÇÃO DO CORPO SEGUNDO PAULINE TARNOWSKY

Beatriz do Nascimento Prechet, José Roberto Silvestre Saiol, Laura Nery

Resumo


DOI: 10.12957/transversos.2015.19796

Ao longo do século XIX acompanha-se a conformação de uma série de discursos científicos, impulsionada por novas demandas da sociedade capitalista urbana e industrial, em plena consolidação. Estes discursos buscavam cada vez mais legitimar sua posição enquanto campo de saber específico, dotados de teorias e métodos próprios. É neste contexto que se observa o surgimento da antropologia criminal, que, por volta da década de 1890, havia alcançado grande notoriedade por todo o mundo, exercendo influência duradoura. O objetivo deste texto é analisar a matematização do corpo prostituído a partir do estudo antropométrico de Pauline Tarnowsky, um dos grandes nomes da antropologia criminal do final do século XIX e início do século XX. Pretendemos iluminar suas influências teóricas, métodos, argumentos e conclusões acerca do assunto.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/transversos.2015.19796

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

REVISTA TRANSVERSOS - ISSN:2179-7528

Laboratório de Estudos das Diferenças e Desigualdades Sociais - UERJ

Campus Francisco Negrão de Lima - Pavilhão João Lyra Filho Rua São Francisco Xavier, 524 - 9° andar - Bloco D, sala 6.

http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos