O ESTADO NOVO DA PORTELA: CIRCULARIDADE CULTURAL NA ERA VARGAS

Guilherme José Motta Faria

Resumo


DOI: http://dx.doi.org/10.12957/tecap.2009.12161

As escolas de samba, criadas no final dos anos 1920, alcançaram o posto máximo do carnaval brasileiro. As agremiações e especialmente a Portela, durante o Estado Novo deram destaque à visão ufanista de Brasil, afinando seu discurso com o do Governo. A escolha dos enredos, a representação em fantasias e a composição dos sambas demonstram a apropriação da Portela dos discursos nacionalistas. O contato dos sambistas com as cartilhas escolares, produzidas pelo Ministério da Educação e pelo Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), permitia uma circularidade cultural, onde as “verdades históricas” e o caráter de exaltação se transformavam em samba.


Palavras-chave


ESCOLAS DE SAMBA, NACIONALISMO, ESTADO NOVO.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/tecap.2009.12161

Apontamentos

  • Não há apontamentos.