A CULTURA POPULAR VAI AO MUSEU: A TROPICÁLIA DE HÉLIO OITICICA

Carla Hermann

Resumo


DOI: http://dx.doi.org/10.12957/tecap.2010.12147

A partir da leitura das manifestações culturais contemporâneas enquanto culturas híbridas, o artigo pretende compreender como se estrutura a formação de um sentido de brasilidade igualmente híbrido e toma como seu exemplo estético-visual a instalação de 1967 do artista Hélio Oiticica, Tropicália. Interpretando a cultura popular como resultante do movimento duplo de conter e resistir, e considerando as mudanças sofridas pelos aspectos mais tradicionais da cultura, bem como as transformações operadas por eles frente às modificações do meio técnico-científico do mundo globalizante, não se procurou fazer distinções acerca da legitimidade da referida obra enquanto pertencente ou não à cultura popular. A instalação é aqui considerada parte integrante da cultura popular brasileira, capaz de revelar as mediações entre poderes simbólicos, políticos e culturais nela existentes, bem como ilustrar uma brasilidade híbrida em construção.


Palavras-chave


BRASILIDADE, HÉLIO OITICICA, CULTURA POPULAR, CULTURAS HÍBRIDAS, TROPICÁLIA.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.12957/tecap.2010.12147

Apontamentos

  • Não há apontamentos.